Professor Pardal do Sertão pernambucano ganha cinebiografia

Evangelista é inventor popular. Foto: Álvaro Severo/divulgação
Evangelista é inventor popular. Foto: Álvaro Severo/divulgação

Do outro lado da linha, o senhor de 88 anos dá pelos menos uma gargalhada por minuto. Parece eufórico. Com a própria cinebiografia em cartaz nos cinemas, diz estar morrendo de alegria consigo mesmo. “Tudo no mundo, sei fazer. Não precisa de papel, nem de instrução. Deus me deu essa sabedoria. Não sou culpado de ter nascido sabendo das coisas. Se eu disser que o mundo vai se acabar, uma parte não acredita, mas a outra começa a rezar”. Exageros à parte, é impossível não ser cativado pela simpatia de Evangelista Ignácio de Oliveira, inventor e cientista popular natural de Serra Talhada, no Sertão de Pernambuco, protagonista do documentário O gigantesco ímã, em exibição no Cinema São Luiz.

Sem nunca ter tido acesso à educação formal, o homem foi relojoeiro por 43 anos até começar a investigar o funcionamento de rádios e outros mecanismos analógicos. Desde então, dedica a vida a transformar sucatas de máquinas e equipamentos eletrônicos em instrumentos os mais diversos (conheça algumas invenções na página). A figura de Vanja, como também é chamado, fazia parte do imaginário do músico e cineasta Petrônio Lorena, também serratalhadense. Há algumas décadas, o realizador, na época um pré-adolescente, observava com atenção a figura excêntrica de roupas gigantes, cabelos assanhados, sempre em movimento em busca de ferros para seus experimentos científicos.

Quando finalmente se encontraram, tiveram início as gravações do curta-metragem O som da luz do trovão (2006), dirigido também por Tiago Scorza, sobre as engenhocas de Evangelista, hoje morador de Petrolina. A dupla manteve contato com o inventor depois disso e, eventualmente, decidiu contar a história com mais detalhes. Bancadas com recursos próprios (cerca de R$ 40 mil), as filmagens duraram mais de uma década e acompanharam a intimidade do senhor autodidata, o passo a passo das criações e a interação com outros inventores (daí o “ímã” do título, uma referência ao próprio Evangelista).

Em pouco mais de uma hora, o documentário foge do padrão em vários aspectos, ao se deixar contaminar pela ousadia e experimentalismo do personagem. Para Petrônio, o longa traduz o sentimento desse “Leonardo Da Vinci modernizado e ao mesmo tempo primitivo”, além de homenagear a figura do “outsider”, da pessoa que se sente fora do padrão da sociedade e não quer obedecer convenções de moral, política, religião, estética, mas transgredir os valores.

“Evangelista é de família nobre de Serra Talhada, mas filho bastardo de uma empregada doméstica, então sempre foi tratado com desdém. Talvez a revolta dele tenha sido transformada em impulso criativo, em motivação para resolver as coisas ao invés de esperar. Se ele quer uma máquina filmadora, vai lá e constrói”, comenta Petrônio. Para ele, essa é a grande mensagem do documentário, a do “faça você mesmo”.

As engenhocas

ELETRICIDADE

Em uma invenção de Evangelista, a combinação de um ímã circular com arame esmaltado enrolado em bobina produz energia elétrica, verificada por pequenas lâmpadas de LED que piscam conforme o equipamento gira em torno de um eixo de madeira.

ÓTICA

Um longo cilindro com vidro fosco e pequeno orifício. Na invenção,  se pode ver paisagem de cabeça para baixo. Em outro momento, ele monta um artefato simples, com superfícies furadas para, com o auxílio da luz solar, impressionar a plateia.

ÁUDIO

Peça por peça, construiu rádio funcional, coberto por acrílico, para permitir enxergar o interior. Equipado com celular, o rádio pode ser acionado à distância, com uma ligação. Também criou caixas de som a partir de peças de secador de cabelo.

IMAGEM 

Equipada com um motor de liquidificador e peças de metal, construiu do zero uma filmadora 35mm. Imagens experimentais captadas foram incorporadas ao documentário. A máquina não só filma, como projeta. Ou, como ele diz, “vomita o que viu”.

ARMAMENTOS

Inventou modelos de arma, das mais tradicionais às inusitadas, como as escondidas em carteira de cigarro, ou em formato de guarda-chuva, bengala, torneira. No longa, conta com ajuda dos militares para acionar uma metralhadora pelo celular.

LINGUAGEM

Coleciona, em um longo cartaz em formato de pergaminho, 3500 expressões idiomáticas do idioma inglês, todas em desuso. No filme, um estrangeiro chega a tirar dúvidas com Evangelista, cuja memória guarda o significado de todas as palavras ali escritas.

MECÂNICA AUTOMOTIVA

Depois de quebrar a cabeça, o inventor conseguiu colocar para funcionar um carro movido a energia elétrica. O único problema foi a falta de autonomia do veículo – conectado a um fio de 50 metros e ligado na tomada, não conseguiu ir mais longe.

AERODINÂMICA

Projetou, na década de 1960, um modelo de asa-delta, mas foi impedido pelas forças policiais de testá-la. Ele pretendia saltar de um dos pontos mais altos de Serra Talhada. Foi obrigado a vender. O comprador testou e comprovou o funcionamento.

Fonte: Diário de Pernambuco
Matéria originalmente publicada pelo site Diário de Pernambuco

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *