Últimas

Rússia dá oxigênio ao regime sírio, que agora deve demonstrar se pode sobreviver

Baterias de mísseis anti-aéreos S-400 russas são vistas na província de Latakia, Síria. Foto: Russian Defence Ministry/Arquivo/AFP
Baterias de mísseis anti-aéreos S-400 russas são vistas na província de Latakia, Síria. Foto: Russian Defence Ministry/Arquivo/AFP

Os aviões russos começam a abandonar o espaço aéreo sírio depois de ter dado oxigênio vital ao regime do presidente Bashar Al-Assad, que agora deve demonstrar se é capaz de manter a iniciativa, segundo os especialistas.

Assad “está em uma posição muito melhor, enquanto seus inimigos enfraqueceram”, destaca o especialista Aron Lund, que lidera o site Syria Crisis.

“Mas isso não significa que a guerra tenha terminado”, completou.

Em cinco meses de bombardeios intensivos, Moscou foi capaz de “mudar o equilíbrio das forças sobre o terreno em benefício do regime”, destaca.

Os bombardeiros Su-24, os caças Su-24 e os tanques T-90 permitiram ao exército sírio reunir vitórias em um momento crítico, após o verão de 2015. Mas os ocidentais acusam Moscou de ter massacrados os rebeldes mais moderados em vez de se concentrar na organização Estado Islâmico (EI) e nos outros grupos jihadistas.

Para Thomas Pierret, especialista sobre a Síria da Universidade de Edimburgo, os bombardeios “frearam a seco o avanço dos rebeldes e permitiram ao regime (…) recuperar posições estratégicas em Aleppo, Latakia, Damasco e Deraa”.

O exército sírio está em uma fase de reconquista, resume Aron Lund, enquanto os grupos rebeldes perderam terreno, sobretudo após a grande ofensiva lançada pelo regime na província de Aleppo, em fevereiro.

O anúncio da retirada russa levanta, contudo, várias questões bélicas: o regime continuará com esta ofensiva? Poderá manter suas posições em torno da província de Latakia, reduto da comunidade alauita, em cujo seio surgiu a família Assad?

Ajudar o regime em Palmira

“O anúncio da retirada das tropas russas é sobretudo psicológico”, declara o geógrafo e especialista sobre a Síria Fabrice Balanche.

“Poderia ser interpretado como um abandono de Bashar Al-Assad, mas ao mesmo tempo vemos como a oposição síria não se alegra. Está à espera de saber se essa retirada é real ou não”.

A Rússia manterá na Síria 800 soldados, segundo o presidente da comissão de Defesa do Conselho da Federação (câmara baixa do Parlamento), Viktor Ozerov.

Sobre as capacidades militares do regime, a Rússia não irá embora antes de entregar a seu aliado “novos tanques capazes de resistir aos mísseis (anti-tanque) TOW”, assim como aviões e helicópteros, afirma Balanche. As baterias de mísseis anti-aéreos S-400, ultramodernas, continuarão mobilizadas.

Para Aron Lund, o regime também poderá contar com a aviação russa, em particular no leste do país.

Os aparatos russos o demonstraram, nesta terça-feira, mediante ataques aéreos em torno de Palmira, nas mãos do EI desde maio de 2015.

Retomar Palmira “sem a aviação russa será difícil para as forças do regime”, segundo Pierret.

O EI não reagiu ao anúncio do presidente Putin, enquanto a Frente Al-Nusra, o braço sírio da Al-Qaeda, prometeu lançar uma nova ofensiva nas próximas 48 horas, após esta “derrota” da Rússia.

Nem o EI, nem a Al-Nusra acatam a trégua decretada pelos rebeldes e pelo regime.

A Al-Qaeda perdeu vários setores na província de Latakia, assim como uma grande parte da província de Aleppo.

Fonte: Diário de Pernambuco
Matéria originalmente publicada pelo site Diário de Pernambuco

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *