Últimas

Saiba quantos "tijolinhos" de DNA são necessários para construir a vida

Os cientistas estão cada vez mais próximos de entender os mecanismos mais básicos para a existência de seres vivos. O esboço mais simples da vida já pode ser feito em laboratório. Um grupo de pesquisadores dos Estados Unidos liderado por Craig Venter e Clyde Hutchison desenhou e sintetizou um genoma bacteriano com o mínimo de componentes suficiente para a manutenção da vida independente. O trabalho publicado pela primeira vez em 2010 é agora tema de artigo da revista Science.

A partir da pesquisa, foi possível descobrir quantos “tijolinhos” de DNA precisamos ter para construir um ser vivo que se reproduz. São 473 genes presentes na célula sintética criada pelo grupo. Em comparação, o genoma humano possui cerca de 27 mil genes. A nova célula bacteriana foi produzida a partir da análise da bactéria Mycoplasma mycoides, uma das mais simples existentes, cujas células são capazes de auto-replicação. 

A partir dessa bactéria, eles projetaram oito genomas mínimos hipotéticos, um diferente do outro, que passaram a ser testados. Nas experiências, foram inseridos sequências genéticas que interrompiam as funções básicas de cada gene dos genomas.

Assim, os cientistas puderam determinar com precisão quais genes eram essenciais à vida, sem os quais a célula bacteriana não conseguia se auto-reproduzir, e quais eram dispensáveis. Também foram identificados genes “semi-essenciais”, necessários para um crescimento robusto, mas que não interferem na manutenção da vida.

A análise revelou que alguns genes inicialmente classificados como “não essenciais” desempenhavam a mesma função de um gene considerado essencial. Assim, algum dos genes do par precisava estar no genoma mínimo, não importava qual.

Brincando de deus

A versão final da sequência genética, chamada de JCVI-syn3.0, compreende os 473 genes, considerado o mínimo para a vida. Trata-se de código menor do que o de qualquer célula conhecida com capacidade de auto-replicar encontrada na natureza.

Vale lembrar que um vírus é uma partícula basicamente proteica que infecta organismos vivos e vivem no interior celular e só se reproduzem dentro da célula “hospedeira”.

O código genético feito em laboratório não possui genes que comumente estão presentes em outros genomas, como o para a codificação de lipoproteínas. Mas todos os genes envolvidos na leitura e expressão da informação genética no genoma e na preservação da informação genética por gerações estão presentes.

Curiosamente, as funções biológicas de cerca de 31% dos genes do JCVI-syn3.0 permanecem desconhecidas. “A plataforma JCVI-syn3.0 representa uma ferramenta versátil para investigar as funções essenciais da vida, bem como compreender a função de cada gene essencial para uma célula”, diz a revista Science.

Segundo os pesquisadores, criações como essa abrem caminho para que genomas sejam desenhados em computador, sintetizados em laboratório e transplantados para células para que se reproduzirem. Esse berçário da vida feita em laboratório, cada vez mais próximo da realidade, faz o homem parecer brincar de deus.

Fonte: Bol.com.br

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *