Últimas

Suíça bloqueou US$ 800 milhões ligados ao Petrolão desde 2014

As autoridades judiciais suíças anunciaram nesta quinta-feira que bloquearam US$ 800 milhões relativos ao escândalo de corrupção envolvendo a Petrobras. Até o momento, a Suíça havia indicado o bloqueio de 400 milhões de dólares desde o início de sua investigação sobre este caso, em abril de 2014.

“Como parte das mais de 60 investigações criminais abertas, ativos patrimoniais da ordem de cerca de US$ 800 milhões foram bloqueados”, declarou nesta quinta-feira o procurador-geral suíço em um comunicado. A Suíça vai desbloquear cerca de US$ 70 milhões para o Brasil, acrescentou, elevando a pelo menos US$ 190 milhões os valores devolvidos à Brasília como parte do escândalo que abalou toda a classe política brasileira.

Este anúncio ocorre após uma reunião nesta quinta na Suíça entre o procurador-geral do Brasil, Rodrigo Janot, e o seu colega suíço Michael Lauber para discutir “a colaboração entre as duas procuradorias neste complexo caso de investigações da Petrobras”, segundo o comunicado.

O encontro se concentrou, entre outros temas, “na criação de um grupo de investigação conjunta, a fim de acelerar” o processo penal em ambos os países em conexão com o caso, de acordo com o gabinete do procurador-geral. A investigação sobre a Petrobras envolve políticos, partidos da coalizão de centro-esquerda governista, bem como empresários e empresas.

Grandes somas de dinheiro foram desviadas em benefício de indivíduos, incluindo ex-funcionários da companhia, mas também para partidos políticos, incluindo o Partido dos Trabalhadores (PT) da presidente Dilma Rousseff, atualmente ameaçada de processo de impeachment. Neste contexto, as autoridades suíças indicaram nesta quinta-feira que ordenaram desde o início da investigação a transmissão de documentos “de um total de mais de mil contas em mais de 40 bancos.”

Fonte: Diário de Pernambuco
Matéria originalmente publicada pelo site Diário de Pernambuco

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *