Últimas

Temer ‘será o próximo a cair’ se Dilma sofrer ‘golpe’, diz líder do governo

Humberto Costa usou tribuna do Senado para criticar postura do PMDB. Partido definirá nesta terça-feira se desembarcará do governo Dilma.

 

Um dia antes de o PMDB decidir se deixará ou não a base aliada do Planalto, o líder do governo noSenado, Humberto Costa (PT-PE), subiu à tribuna do plenário para dizer que o vice-presidente Michel Temer “será o próximo a cair” caso a presidente Dilma Rousseff sofra o que ele chamou de um “golpe constitucional”.

Para pelo menos cinco ministros do Supremo Tribunal Federal (Gilmar Mendes, Carmen Lúcia,Dias ToffoliCelso de Mello e Luis Roberto Barroso), o impeachment é um mecanismo constitucional e, observado o processo legal, não é golpe.

Nesta segunda-feira (28), Dilma faz os últimos esforços para assegurar, ao menos em parte, oapoio dos ministros peemedebistas contra a ruptura. Ela recebeu no Palácio do Planalto seis dos sete ministros do partido. Ao mesmo tempo, Temer, presidente nacional do PMDB, busca apoio unânime para o rompimento com o governo.

A decisão sobre se o PMDB permanece ou não no governo será tomada em reunião marcada para esta terça-feira (29), em Brasília.

“Não pense que os que hoje saem organizados para pedir ‘Fora, Dilma’ vão às ruas para dizer ‘Fica, Temer’, para defendê-lo. Não. Depois de arrancarem, com um golpe constitucional, a presidenta da cadeira que ela conquistou pelo voto popular, essa gente vai para casa porque estará cumprida a sua vingança e porque não lhe tem apreço algum. E, seguramente, Vossa Excelência [Michel Temer] será o próximo a cair”, afirmou Humberto Costa na sessão desta segunda-feira.

A senadora Ana Amélia (PP-RS), que apesar de intregrar partido da base aliada faz oposição ao governo no Congresso, afirmou, trambém na tribuna, que o impeachment "fundamentado" não é um golpe. A ministra também disse não acreditar que ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) que consideram o processo de impeachment um mecanismo constitucional estejam jogando o jogo de "quem quer que seja".

Reunião do PMDB
Humberto Costa classificou como uma “esquizofrenia” o PMDB, partido presidido pelo vice-presidente, se reunir para decidir se fica ou se sair do governo. Segundo ele, isso é “algo impensável em qualquer sistema presidencialista sério do mundo”.

“Não se pode entender uma atitude dessa natureza, senão pelo viés escancarado do oportunismo”, disse.

Em seguida, o senador petista afirmou que espera que as principais lideranças do PMDB tenham “responsabilidade e equilíbrio” durante a reunião da sigla.

“Não quero aqui imaginar que – em desapreço ao papel constitucional que exerce e ao papel institucional que tem como presidente do PMDB – o vice-presidente da República Michel Temerconspurque a própria biografia em uma conspiração para destruir a chapa pela qual se elegeu, ao trabalhar para derrubar a sua titular”, afirmou.

Humberto Costa disse que, se confirmada, essa atuação de Temer pelo rompimento com o governo Dilma seria “um ato de ignorância sem tamanho” e “um suicídio político”.

Base aliada
Em entrevista após discurso no plenário, Humberto Costa disse que a possível saída do PMDB do governo pode levar o governo a buscar apoio de partidos "que sejam leais".

"A saída do PMDB pode abrir espaço para participação mais decisiva de outros partidos que sejam leais ao governo, que tenham quadros políticos qualificados para o exercício da elaboração e da aplicação dessas políticas públicas. Não queremos que o PMDB saia, achamos que seria equívoco se isso acontecesse, mas, se sair, buscaremos sustentação política com outros partidos que nos têm sido fieis", afirmou.

Manifestações
Ao dizer que Temer seria o próximo a cair, Humberto Costa afirmou que o PT e seus apoiadores fariam manifestações contra um "acordão político" que, segundo ele, submete a Constituição a "caprichos" e "ambições" de algumas pessoas.

"Para denunciar a ruptura da ordem democrática e dizer que não aceitamos qualquer tipo de golpe, seja ele por meio de armas e tanques, seja por um acordão político que submeta a Constituição aos caprichos eleitorais e às ambições desmedidas de alguns poucos", explicou.

Humberto Costa disse que o governo lutará "até o último momento" pela manutenção da ordem democrática. "Mas, se mesmo assim, for violentado o Estado de Direito, nós estaremos nas ruas no mesmo dia porque não vamos aceitar soluções à margem da Constituição", disse.

"O vice-presidente da República precisa ter isso em conta. Não caia nesse canto da sereia. Não seja, como no poema de Machado de Assis, o poleá que se encanta pela Mosca Azul. Se Vossa Excelência sucumbir a essa vendeta em curso contra a presidenta Dilma, estará levando o Brasil inteiro a ser tragado por uma maré de forte instabilidade, e o país e a sua biografia não merecem isso", completou Humberto Costa.

 

G1

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *