Últimas

Trabalhadores de países africanos correm mais risco de perder emprego para robô

Todos os países, de uma forma geral, estão correndo o risco de perder postos de trabalhos para os robôs. No entanto, as nações em desenvolvimento tendem a ter mais trabalhadores humanos sendo substituídos por máquinas, de acordo com um relatório do Banco Mundial.

O maior risco está entre os países africanos, com destaque para a Etiópia, onde 84% das pessoas devem perder seu emprego por conta do avanço tecnológico. Outros 14 países apresentaram índices altos de automação. Confira:

1º lugar – Etiópia – 84% da população pode perder o emprego
1º lugar – Nepal – 79% da população pode perder o emprego
3º lugar – Camboja – 78% da população pode perder o emprego
4º lugar – China – 77% da população pode perder o emprego
5º lugar – Bangladesh – 76% da população pode perder o emprego
6º lugar – Guatemala – 75% da população pode perder o emprego
7º lugar – El Salvador – 75% da população pode perder o emprego
8º lugar – Angola – 73% da população pode perder o emprego
9º lugar – Albânia – 72% da população pode perder o emprego
10º lugar – Tailândia – 72% da população pode perder o emprego
11º lugar – Índia – 68% da população pode perder o emprego
12º lugar – Romênia – 68% da população pode perder o emprego
13º lugar – Equador – 68% da população pode perder o emprego
14º lugar – Costa Rica – 68% da população pode perder o emprego
15º lugar – Macedônia – 68% da população pode perder o emprego

Segundo o levantamento, os países em desenvolvimento estão mais arriscados a perderem postos de trabalho para os androides, porque a cota de trabalhos que podem passar pela automação é maior nos países em desenvolvimento do que nos mais avançados, onde muitos destes postos de trabalho já desapareceram.

Para combater esta tendência, o Banco Mundial sugere incentivar os trabalhos que são difíceis para a tecnologia dominar, como aqueles que demandam de habilidades cognitivas e sócio emocionais avançadas.

Via TechInsider

Fonte: Olhar Digital
Matéria originalmente postada no site olhardigital.uol.com.br

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *