Últimas

Adolescente de SC acusa deputado de assédio sexual por Whatsapp

O deputado não quis comentar o episódio. Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil
O deputado não quis comentar o episódio. Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

A estudante catarinense X., de 17 anos e militante do Movimento Brasil Livre, registrou uma ocorrência contra o deputado federal João Carlos Bacelar (PR-BA). De acordo com a jovem, o político a assediou sexualmente pelo aplicativo Whatsapp. O assédio ocorreu quando ela tentava convencê-lo a votar a favor do impeachment da presidente Dilma Rousseff. O deputado não quis comentar o episódio e, por meio de sua assessoria, afirmou que “o celular com o qual a adolescente se comunicou fica no gabinete em Brasília e quem conversou foi um assessor parlamentar”.

Foto: Whatsapp/Reprodução
Foto: Whatsapp/Reprodução

X. teria participado de uma “blitz” organizada pelo MBL para falar com deputados e pedir que os políticos votassem a favor do impeachment. “ Falei com deputados de diversos estados, inclusive aqui de Santa Catarina, mas apenas com ele tive este problema. Falei com alguns que disseram que iam votar contra o impeachment e ficou tudo bem. Mas ele teve uma atitude ímpar”, disse a estudante, em entrevista ao jornal Extra.

Foto: Whatsapp/Reprodução
Foto: Whatsapp/Reprodução

Juntamente com a mãe, X. foi à  Delegacia de Proteção à Mulher, ao Menor e ao Adolescente em Florianópolis. A jovem mostrou uma impressão do celular exibindo a hora em que o interlocutor tentou lhe telefonar, em vez de falar no WhatsApp. Na postagem da catarinense no Facebook, o perfil de uma suposta personal trainer, chamada Neide Rabello, comentou que era ela quem estava escrevendo. Neide tem 52 anos e um endereço em Salvador. 

Neide estaria com o celular do deputado na hora da conversa. Foto: Facebook/Reprodução
Neide estaria com o celular do deputado na hora da conversa. Foto: Facebook/Reprodução

A assessoria de João Carlos Bacelar informou que o funcionário terá seu nome preservado e não deve ser exonerado, “apenas afastado”

Fonte: Diário de Pernambuco
Matéria originalmente publicada pelo site Diário de Pernambuco

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *