Armas de terroristas podem ter sido negociadas através do Facebook, diz jornal

Grupos terroristas tiveram acesso a armas fabricadas nos Estados Unidos, Reino Unido e Rússia através de grupos privados do Facebook, revelou no último sábado, 9, o jornal The Times.

De acordo com a publicação, revólveres, metralhadoras, rifles, lança-granadas, entre outras armas foram colocados à venda em grupos na rede social. As fotos e descrições do armamento foram descobertas pela Armament Research Services, uma empresa de consultoria de inteligência.

Segundo o jornal The New York Times, foram registradas 97 tentativas de irregulares de venda de mísseis, metralhadoras, lança-granadas, foguetes e rifles através de vários grupos líbios no Facebook desde setembro de 2014.

A situação é incomoda para o Facebook, pois a empresa trabalhou junto com as autoridades para impedir atividades ilegais em sua rede – desde janeiro, a venda privada de armas de fogo foi proibida pelo site. Dos sete grupos descobertos, seis já foram removidos da rede social.

Após a divulgação do material, os vendedores negociavam os acordos com compradores em plataformas privadas de mensagem e de conversas telefônicas

O diretor da ARES, Nic Jenzen-Jones, disse ao The Times que as armas britânicas puderam entrar na Líbia através de várias rotas. “Uma possibilidade é uma exportação direta ao governo líbio, antes do levante contra o ex-presidente Muammar al Kadafi”, afirmou Jenzen-Jones, que também cogitou a possibilidade de as armas terem entrado pelo Egito.

Fonte: Olhar Digital
Matéria originalmente postada no site olhardigital.uol.com.br

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *