Últimas

Auditoria investiga denúncia de negligência em maternidade de Caruaru

Médicos auditores da Secretaria de Saúde de Caruaru, no Agreste de Pernambuco, deram início a uma auditoria para apurar denúncia de negligência médica na Casa de Saúde Bom Jesus, ligada à rede pública municipal. A família acredita que a recém-nascidq teve o ombro deslocado durante um parto forçado e reclama ainda de falta de providências. A paciente, Ezilane Keutra da Silva, de 32 anos, deu entrada na maternidade às 10h30 da terça-feira passada e teria entrado em trabalho de parto no final da tarde, mas só dado à luz na quarta-feira. No dia seguinte, a avó e a tia do bebê perceberam que um dos braços da criança não tinha movimento e o ombro deslocado. Ainda segundo os familiares, apenas três dias depois a pequena Maria Antônia teve o braço imobilizado.

De acordo com a diretora de atenção especializada da Secretaria, Ana Elizabeth França, a auditoria, seguindo os procedimentos indicados pelo Ministério da Saúde, está verificando prontuários, procedimentos realizados para, a partir do resultado dessa investigação, tomar as medidas cabíveis. “O primeiro atendimento foi feito na maternidade que encaminhou o caso ao ortopedista, orientando um acompanhamento ambulatorial e retorno em 15 dias. De alta desde o dia 10, o bebê continua também recebendo os cuidados da equipe de saúde da família”, acrescentou a diretora.

Segundo a médica, o processo pode durar quatro meses. No entanto, medidas administrativas podem ser tomadas antes deste prazo, se necessário, diante do encaminhamento para o conselho de classe. Ana Elizabeth defendeu ainda que a paciente não foi submetida a um parto forçado e que o fato da criança estar envolta pelo cordal umbilical não seria indicação para uma cesariana. ” O parto ocorreu dentro da normalidade, avaliado por enfermeiros e médicos obstetras. Numa primeira gestação, esse tipo de intecorrência na hora de expulsão pode acontecer”, acredita.
 

Fonte: Diário de Pernambuco
Matéria originalmente publicada pelo site Diário de Pernambuco

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *