Últimas

Da lei sobre o papo em restaurante

Por Vladimir Souza Carvalho
Magistrado
Urge uma lei, lei mesmo, no duro, que proíba, terminantemente, o homem, na mesa de restaurante, no momento do almoço ou jantar, discutir assuntos sérios, com os que estão na mesa vizinha. Ou a gente bebe e come, ou, faz opção pelas discussões sérias que a temática carrancuda reclama. Não dá para beber, comer, ouvir e rebater ou concordar com matérias de grande magnitude, a exigir preparação prévia. É sair do norte para o sul abruptamente, sem excluir do cérebro a paisagem anteriormente vivida. Não dá e não se discute mais.

Há pouco um amigo viveu situação dessa e me revelou seu mal-estar. Ao lado de dois colegas de profissão, num conhecido restaurante, teve o desprazer de despertar atenção do vizinho de mesa, no momento sozinho, chegou primeiro que os companheiros de mesa que queria conversar com alguém, e ele foi o escolhido. Conversar, não, monólogo puro, exposição de suas ideias, de seu entendimentos acerca da civilização do Brasil desde as suas origens, na crítica a Rosseau, como a pessoa que mais prejudicou o mundo, evocando, em contrapartida, o nome de Kant, para aterrissar na grama jurídica, e dar a entender que todo aquele discurso faz parte de um livro de direito, que está a produzir.

Ele queria conversar com os membros da mesa sobre assuntos corriqueiros, leves, fofocas novas e similares outros, e o seu ilustre vizinho, na sua peroração, parecia estar numa sala de aula, a expelir conhecimentos jurídicos que, pela sua inconveniência, lhe doíam na mente. Na primeira oportunidade, depois de se limitar só a assentar com a cabeça em sinal de concordância com o que ouvia, desviou o rosto e entabulou conversa com os da sua mesa, sem virar mais a cara para o culto lindeiro. Alguém sentou ao lado do erudito interlocutor, mais outro, a mesa foi aos poucos sendo povoada, e, bem, ufa, ufa, livrouse daquele papo chato, pesado, desagradável e inoportuno, de conhecimentos que ninguém quer ouvir em mesa de restaurante.

Mesmo assim, saiu feliz do almoço. É que, no frigir dos ovos, pesando os prós, em nenhuma quantidade, e os contra, que máquina de calcular não aterrissa em nenhum número, pulou a fogueira. E aí me explicou: não foi convidado para escrever o prefácio.

Fonte: Diário de Pernambuco
Matéria originalmente publicada pelo site Diário de Pernambuco

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *