Diretor que tirou a roupa de atrizes famosas volta em filme com Bruna Linzmeyer, e revela: ‘Regina Duarte seria a Dama do Lotação’

Neville D’Almeida crucificou Vera Fischer. Literalmente. Fez Regina Casé correr sem roupa ao redor de uma piscina numa das cenas antológicas de “Os sete gatinhos”. Transformou Sonia Braga num fenômeno popular com “A dama do lotação”, terceira maior bilheteria do cinema nacional. Agora, quase 20 anos depois de seu último filme, o diretor volta desafiando atores da nova geração.

Chay Suede no filme

Chay Suede no filme “A frente fria que a chuva traz” Foto: Divulgação

Em “A frente fria que a chuva traz”, que estreia dia 28, Bruna Linzmeyer impressiona como uma viciada em heroína, e Chay Suede, como um playboy que comanda uma festa na laje de uma favela, regada a sexo e drogas. “Ninguém sai indiferente ao filme, alguns saem p. da vida”, diz Neville.

O histórico polêmico do diretor não assustou um galã em ascensão. Pelo contrário. Foi o próprio Chay quem se inscreveu para fazer o teste. “Fiquei surpreso quando vi o nome dele na lista de atores. Depois do filme, vi que ele está fadado a ser um grande astro. Chay tem uma força interior muito grande. Pedi até que guardassem o vídeo do teste dele porque é histórico”, conta o diretor.

Bruna Linzmeyer no filme

Bruna Linzmeyer no filme “A frente fria que a chuva traz” Foto: Divulgação

Já Bruna Linzmeyer era um sonho antigo. “Quando a gente chama uma atriz que se acha, que se julga importante, que censura os personagens, não dá certo. Bruna é novinha, mas parece que tem 40 anos, é diferenciada. Sua capacidade de viver intensamente o personagem é para poucas”. De fazer as atrizes se entregarem em cena, Neville D’Almeida é mesmo craque.

Sonia Braga: a estrela de

Sonia Braga: a estrela de “A Dama do Lotação” Foto: divulgação

Só não conseguiu o mesmo com Regina Duarte, sua primeira opção para ser a Dama do Lotação: “Pensei na Regina, disse para Nelson Rodrigues (autor da obra original). Ele me respondeu: ‘que genial, a Namoradinha do Brasil”. A atriz ainda não tinha feito “Malu mulher” e ansiava por uma virada na carreira. “Ela ficou encantada querendo fazer, mas, com o passar do tempo, houve uma transformação e o entusiasmo foi desaparecendo. Vi que não daria certo”, lembra ele.

‘Sonia deveria ser mais homenageada’

Mas com atrizes como Sonia Braga, Vera Fischer, Regina Casé e Claudia Raia (”Matou a família e foi ao cinema”) foi diferente. “Vera é uma atriz de verdade. Ficou presa numa cruz de 2h às 5h da manhã, e fez seu melhor filme nesta vida e talvez na próxima. Posso falar o mesmo da Sonia. Fizemos juntos o melhor filme dela também. O resto não dá para nem para comparar”, acredita Neville, que se emociona ao falar de sua eterna Dama do Lotação: “Ela deveria ser mais homenageada, deixar uma pessoa como ela sem trabalhar é um crime”.

Claudia Raia no cartaz do filme

Claudia Raia no cartaz do filme “Matou a família e foi ao cinema” Foto: divulgação

Cartaz do filme

Cartaz do filme “Os sete gatinhos” Foto: divulgação

Com fama de maldito, o diretor, que se autointitula o mais censurado do país, não esconde seu lado emotivo: “Outro dia chorei quando o cara que foi guardar meu carro disse que tinha visto ‘Os sete gatinhos’ no cinema e jamais tinha esquecido a cena da Regina Casé na piscina. Tenho duas contas de luz atrasada, mas não posso reclamar. Sou abençoado”.

Christiane Torloni e Joel Barcellos no filme

Christiane Torloni e Joel Barcellos no filme “Rio babilônia” Foto: divulgação

Cartaz do filme

Cartaz do filme “Rio babilônia” Foto: divulgação

Fetiche por piscina

Piscina, aliás, é uma espécie de fetiche para Neville. Talvez sua cena mais famosa seja a do sexo dentro d´água progatonizada por Joel Barcellos, Pedro Aguinaga (pai do filho de Monique Evans) e a sumida Denise Dumont em “Rio babilônia”, um hit da TV a cabo brasileira. Quem assiste ao filme, que ainda traz Christiane Torloni em momentos bem picantes, fica imaginando a festa que eram os bastidores de filmagem. Mas não era bem assim:

“É uma visão distorcida. Eu tinha 80 figurantes para vestir, 30 atores para comandar, de Jardel Filho a Norma Bengell. Teve uma vez em que o figurante pediu para servir uísque de verdade, em vez de água. Disse que se ele quisesse beber, que fosse para casa. Se vão para a filmagem achando que vai ter droga, sacanagem, erraram”.

Vera Fischer em cena do filme

Vera Fischer em cena do filme “Navalha na carne” Foto: Marcos Bonisson/ divulgação

‘As atrizes vão se descabelar pelo papel’

Quem também aposta novamente num longo jejum longe das telas também errou. Neville D’Almeida já trabalha no roteiro de seu próximo filme, “A dama da internet”: “É a história de uma mulher que faz com os homens o que eles têm feito com elas nos últimos cinco mil anos. Não é uma revance, é um acerto de contas. É o melhor personagem feminino do cinema brasileiro dos últimos 15 anos, para ser modesto, modestísssimo. As atrizes vão se descabelar, puxar o cabelo uma da outra, dar rasteira para fazer o papel. As inteligentes, é claro“.

Fonte: Jornal Extra (http://extra.globo.com)

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *