Facepe recebe propostas de estudo do zika vírus

O edital emergencial da Fundação de Amparo à Ciência e Tecnologia do Estado de Pernambuco (Facepe) para estudos sobre o zika vírus recebeu 53 propostas de trabalhos. O balanço foi divulgado ontem pelo orgão vinculado à Secretaria Estadual de Ciência, Tecnologia e Inovação. Serão aprovados três projetos. Cada trabalho selecionado – nas áreas de análise da competência vetorial; estudos epidemiológicos; diagnóstico e validação; e plataformas inteligentes para monitoramento e integração das informações – terá prazo de execução de 18 meses.

O resultado deve ser divulgado no próximo dia 6, no site da Facepe (www.facepe.br). Das pesquisas submetidas ao edital, 15 foram inscritas na categoria competência vetorial, que enquadra formas de controle do vírus, como reprodução, proliferação (incluindo larvicidas), adaptações climáticas e temperatura. Outros 11 foram enviados para a temática estudos epidemiológicos, 19 em diagnóstico e validação e oito em plataformas inteligentes. A Facepe não divulgou os títulos, autores ou instituições que submeteram os trabalhos à seleção.

De acordo com a Facepe, o edital tem como objetivo “evidenciar melhor as causas de contaminação e transmissão, bem como propor medidas que visem o monitoramento, prevenção e minimização dos efeitos dada a necessidade emergencial”. No dia 1º de março, o órgão lançou uma versão atualizada do edital. O valor anterior era de R$ 1 milhão e foi aumentado, no documento que recebeu as 53 propostas, para R$ 3 milhões.

Escassez

Pesquisas científicas sobre o zika vírus são escassas em Pernambuco e no país. Mesmo depois da explosão de casos na América Latina, a quantidade de artigos científicos sobre o vírus disponíveis no portal Pubmed (base de dados que reúne estudos médicos mundiais) é 30 vezes menor do que os disponíveis sobre a dengue. São 460 publicações sobre o zika contra 15.281 sobre dengue.

A própria estrutura do zika era desconhecida pelos cientistas até o último dia 31. O mapeamento da superfície do vírus, feito por pesquisadores da Universidade de Purdue (Estados Unidos), revelou que a estrutura do zika é muito parecida com a do vírus da dengue. A proximidade entre os vírus da dengue e o zika permite utilizar os conhecimentos científicos de um para ajudar na análise do outro. Há, porém, uma diferença fundamental: o zika tem, em toda a parte externa, uma glicoproteína que pode ser usada para se ligar às células humanas. Segundo os cientistas, isso explicaria a capacidade de o vírus atacar células nervosas.

Seleção de projetos

    R$ 3 milhões serão destinados ao financiamento de pesquisas
    53 propostas de projetos foram apresentadas
    3 projetos serão aprovados
    18 meses será o tempo de execução dos projetos aprovados
    4 temas foram contemplados na apresentação dos projetos:
    15 foram apresentados no eixo competência vetorial
    11 em estudos epidemiológicos
    19 em diagnóstico e validação
    8 em plataformas inteligentes

Arboviroses em Pernambuco*:

Dengue

    55.502 casos notificados
    8.448 casos confirmados
    8.245 casos descartados

Chikungunya

    16.488 casos notificados
    360 confirmados
    438 descartados

Zika vírus

    8.337 casos notificados
    16 confirmados
    125 descartados

Mortes

    168 mortes por arboviroses suspeitas
    9 confirmadas por chikungunya
    1 confirmado por dengue
    158 em investigação

Infestação

    91 municípios em risco de surto
    75 municípios em situação de alerta
    15 municípios em situação satisfatória
    3 municípios (Itapissuma, Macaparana e Serra Talhada) sem informações

Microcefalia em Pernambuco**:

    1.849 casos de microcefalia foram notificados no estado
    761 (41%) casos atendem aos parâmetros da OMS para microcefalia
    312 casos foram confirmados
    664 descartados
    49 mortes: 25 casos de bebês natimortos e 24 morreram após o nascimento
    3.838 casos de gestantes com exantema foram notificados
    19 grávidas receberam diagnóstico de microcefalia intra-útero

*Dados relativos ao período de 3 de janeiro a 9 de abril deste ano

** Dados relativos ao período de 1º de agosto de 2015 a 9 de abril de 2016

Fontes: Facepe e Secretaria Estadual de Saúde

Fonte: Diário de Pernambuco
Matéria originalmente publicada pelo site Diário de Pernambuco

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *