Últimas

Indonésia pode colocar DiCaprio em "lista negra" após ator criticar indústria de óleo de palma

  • Foundation of Foreste, Nature and Environment of Aceh/AFP Photo

    Leonardo DiCaprio posa com elefantes durante visita ao parque Nacional Leuser, na província de Aceh, na Indonésia

    Leonardo DiCaprio posa com elefantes durante visita ao parque Nacional Leuser, na província de Aceh, na Indonésia

A Indonésia pode banir o ator Leonardo DiCaprio de retornar ao país por comentários publicados na internet em que ele critica o impacto da indústria de óleo de palma sobre as florestas tropicais.

DiCaprio viajou para a Indonésia com um visto de turista e, no último domingo, visitou o Parque Nacional Gunung Leuser, na Província de Aceh, no nordeste do país.

“Um grande centro de biodiversidade… mas a expansão do óleo de palma está destruindo este lugar único”, disse o ator.

Se estes comentários forem considerados uma “incitação” pelo governo, ele pode ser impedido de entrar no país no futuro, disse uma alta autoridade indonésia à BBC.

“Pelos termos de seu visto e permissão de imigração, Leonardo DiCaprio não fez nada errado. Ele entrou e saiu da Indonésia legalmente. Mas ainda estamos investigando”, afirmou Heru Santoso, porta-voz do diretor-geral do departamento de imigração do país.

“Se suas publicações em redes sociais forem categorizadas como incitação ou provocação, podemos colocá-lo em uma lista negra e proibí-lo de voltar à Indonésia.”

Ativismo
Não é a primeira vez que uma estrela de Hollywood se envolve em problemas com a Indonésia por seu ativismo ambiental.

O ator Harrison Ford foi ameaçado com deportação em 2013 por “perseguir instituições estatais” após entrevistar o ministro de Florestas sobre a extração ilegal de madeira.

Em um post na sua conta no Instagram, DiCaprio disse estar trabalhando para salvar o ecossistema de Gunung Leuser, “o último lugar da Terra onde orangotangos, tigres, rinocerontes e elefantes coexistem na natureza selvagem”.

No Twitter, ele publicou o link de uma petição endereçada ao presidente da Indonésia, Joko Widodo, para que a área seja protegida.

Alguns membros do governo o acusaram de realizar uma “campanha mentirosa” contra o governo e a indústria de óleo de palma do país, uma das maiores de sua economia.

Mas Farwiza Farhan, do grupo Floresta, Natureza e Meio-Ambiente de Aceh, disse à BBC indonésia que o ator não fez nada de errado.

“A acusação não faz sentido, porque essas campanhas são feitas por movimentos locais”, disse ela. “Ele apenas as apoiou. Turistas podem vir e dar sua opinião. Quando chegou, Leo ficou chocado com a névoa espessa e nos perguntou: ‘Isso são nuvens ou fumaça?’.”

Fonte: Bol.com.br

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *