Kátia Abreu diz que sessão do impeachment foi "show de horrores"

  • Charles Sholl/Futura Press/Estadão Conteúdo

    A ministra classificou a denúncia que levou à aprovação afastamento da presidente como um erro e lembrou que governadores adotaram práticas semelhantes

    A ministra classificou a denúncia que levou à aprovação afastamento da presidente como um erro e lembrou que governadores adotaram práticas semelhantes

A ministra da Agricultura, Kátia Abreu (PMDB-TO), participou na madrugada desta quarta-feira (20) do programa do Jô Soares, na “TV Globo”. Ela afirmou que assistiu de casa, com amigos próximos, a votação do impeachment na Câmara dos Deputados. “De repente você percebe que a coisa não vai ser como a gente imagina”, observou.

Kátia disse a Jô que a sessão do impeachment foi um “show de horrores”. “Todos ficaram impactados com aquele cenário. Antes de terminar a votação, fui para o Palácio do Alvorada. Ela (a presidente Dilma) disse que nunca imaginou que fosse viver de novo um golpe”, disse.

A ministra classificou a denúncia que levou à aprovação afastamento da presidente como um erro e lembrou que governadores adotaram práticas semelhantes. A denúncia, segundo ela, faz referência a 2015, um ano em que não ocorreram as práticas classificadas como irregulares pelo Tribunal de Contas da União (TCU), as pedaladas fiscais.

Seu retorno ao Senado para votar a favor de Dilma no processo de impeachment está descartado, segundo ela, já que seu suplente, Donizeti Nogueira, é do PT e votará a favor da presidente.

Durante a entrevista, a ministra se posicionou oficialmente pela primeira vez contra uma fala de um dirigente da Contag que convocou, em evento no Palácio do Planalto, invasões a terras de parlamentares ruralistas. “Foi uma declaração infeliz”, classificou.

Kátia relatou ainda como teve início sua relação com a presidente Dilma Rousseff. “Eu não a tinha apoiado na primeira eleição, mas como senadora e presidente da CNA (Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil) tinha de ter um relacionamento institucional”, explicou. “Já no primeiro encontro, nunca imaginei que poderia ter qualquer afinidade por ser de siglas diferentes. Mas ela é pragmática”, disse. Segundo Kátia, ainda no primeiro mandato ocorreu um primeiro convite para ser ministra, mas que foi recusado. “Eu disse que não tinha apoiado ela e que numa outra ocasião, em uma segundo mandato, aceitaria”, explicou.

O apresentador ainda lembrou do episódio em que o senador José Serra (PSDB-SP) a chamou de “namoradeira” e ela respondeu jogando uma taça de vinho no rosto do tucano. “Foi tão ofensivo e desagradável. Estavam todos se despedindo e ele veio de longe, na roda em que estava e soltou essa frase”, afirmou. “Ficou todo mundo olhando para ele. O Renan (Calheiros, presidente do Senado) tentou me defender de alguma forma”, disse.

A ministra também fez críticas ao presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ). “Imagina se a presidente Dilma tivesse feito um décimo do que esse senhor já fez. É inadmissível. Isso não ocorreria em qualquer país civilizado do mundo”, argumentou.

Fonte: Bol.com.br

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *