Últimas

Ministros e parlamentares contrários ao impeachment apostam no corpo a corpo

Um dia antes da votação da admissibilidade do processo de impeachment na Câmara dos Deputados, ministros e parlamentares contrários à aprovação apostam no corpo a corpo para angariar votos. O deputado Weverton Rocha (PDT-MA), líder do partido na Câmara, e o deputado Waldir Maranhão (PP-MA), que moram no mesmo prédio de apartamentos funcionais, ofereceram dois almoços simultâneos a parlamentares.

“Temos duas grandes preocupações. Primeiro, garantir que não aconteça esse golpe e, segundo, o outro dia. No outro dia, queremos desarmar aquele muro que está na frente do Congresso, restabelecer uma mesa de diálogo urgente e mostrar que essa Casa ainda tem um pouquinho de juízo para ajudar a enfrentar as dificuldades e as adversidades”, disse Rocha.

Todos que desciam dos apartamentos onde ocorriam os almoços mostravam confiança. “Todas as avaliações que fizemos de ontem para cá nos dão a segurança de que o impeachment não passará”, afirmou o deputado Marcelo Castro (PMDB-PI), ex-ministro da Saúde.

De acordo com o ministro-chefe do Gabinete Pessoal da Presidência da República, Jaques Wagner, a reunião foi agendada ontem (15) à noite. Segundo ele, foi decidido que seria bom “botar todo mundo junto para cada um sentir confiança no outro. Tivemos uma presença significativa de lideranças, de deputados. Saio daqui, já liguei para a presidenta, seguro de que o encontro foi extremamente positivo”.

Perguntado sobre o número de votos contra o processo, Wagner disse que o número “oscila muito” e acrescentou: “Saindo daqui, vou conversar com outros parlamentares. E o outro lado também está fazendo isso, é o chamado corpo a corpo”.

Apoio tímido

Para aprovar o processo de impeachment são necessários 342 votos favoráveis. Isso significa, que aqueles que são contra o processo precisam de 172 votos, que podem incluir abstenções ou mesmo ausências.

“Aqueles que se dizem indecisos ou que não querem responder, têm sido avaliados como favoráveis [ao governo]”, afirmou Marcelo Castro, ressaltando que não se trata de uma avaliação unânime. “Aqueles que estão contra [o governo] têm sido muito ansiosos para dizer logo, para colocar no Facebook que são a favor do impeachment. Esses saem na frente, quando já estão definidos pelo impeachment eles afirmam logo”.

“Há parlamentar que vai fazer questão de ir lá e proclamar seu voto pela democracia e contra esse processo maculado. Outros vão fazer críticas ao governo e ao processo [de impeachment] e se abster”, disse Wagner. “Para nós, o que interessa é que eles não vão chegar aos 342 votos”.

Regionalismo

Segundo Rocha, as questões regionais estão sendo centrais no processo de angariar votos contra o impeachment. “As pessoas não tinham parado, com calma, para entender que além da conjuntura nacional, na hora que saíram as pesquisas, quem pode assumir o mandato de presidente está tão desgastado quanto quem é presidente e que, além de tudo, não tem legitimidade. Cada região tem uma diversidade, com o PMDB na cabeça muda a conjuntura política de cada região”.

A ministra da Agricultura, Kátia Abreu, que também participou da reunião, lembrou que existe muita dificuldade política interna nos estados “e isso tem que ser levado em conta, as pessoas às vezes deixam de avaliar as possibilidades, mas elas existem. Então, estamos tentando superar as dificuldades estrategicamente para dar mais conforto e condições aos nossos deputados a fim de votarem contra um impeachment que não se justifica”.

Fonte: Bol.com.br

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *