Mortes de Prince e de Bowie marcam 2016 como ano maldito para o pop

  • Stephen Chernin/AP/Reprodução/Montagem

    Bowie e Prince: luto no pop em 2016, que também perdeu Glenn Frey e Maurice White

    Bowie e Prince: luto no pop em 2016, que também perdeu Glenn Frey e Maurice White

O desaparecimento de gigantes da música como David Bowie, Prince, Glenn Frey um dos fundadores do Eagles, e Maurice White, criador do Earth, Wind & Fire, marcarão 2016 como um ano amaldiçoado para o pop e o rock.

Iggy Pop (69 anos recém-completos na quinta-feira), os rolling stones Mick Jagger e Keith Richards (72 anos) ou o excêntrico Elton John (69 anos) estão mais em forma do que nunca, apesar dos seus loucos anos de juventude. Mas a “pop music” sofreu perdas imensas em 2016, com desaparecimentos valiosos, alguns deles de forma brutal.

O anúncio, na quinta-feira, da morte de Prince, aos 57 anos, encontrado em sua casa perto de Minneapolis, surpreendeu o mundo inteiro. Músico genial e de produção prolífica, o “Kid” representava o pop dos anos 80, década em que reinou junto com Michael Jackson (morto em 2009) e Madonna, os três nascidos em 1958.

Os fãs de David Bowie também não puderam acreditar no desaparecimento do seu ídolo no dia 10 de janeiro, aos 69 anos, por culpa de um câncer. O legendário “Thin White Duke” morreu apenas dois dias depois de publicar seu último álbum, cujo videoclipe, visto a posteriori, parece um testamento artístico.

A morte de Bowie, assim como a de Prince, provocou comoção mundial, muito além dos seus respectivos países.

Além da morte repentina, há vários pontos que unem a trajetória dos dois astros. Os dois se caracterizaram por querer nadar contra a corrente e fazer experimentos com a música, assim como por misturar a música negra e a branca e por usar roupas excêntricas. Os dois também eram bastante discretos em relação às suas vidas privadas.

Compartilhavam uma imagem andrógina, ainda que com fama de mulherengos. David Bowie usava vestidos de mulher, enquanto Prince aparecia com roupas íntimas femininas e sapatos de salto. O “Kid de Minneapolis” também se escondeu durante uma temporada atrás do logo do “Love Symbol”, uma mistura dos símbolos feminino e masculino. Ainda que com reputação de mulherengos.

Também em 2016, em janeiro, morreu Glenn Frey, aos 67 anos, guitarrista e cofundador da mítica banda de rock Eagles. Participou da composição da famosa canção “Hotel California”.

Em fevereiro, morreu o fundador da banda Earth, Wind & Fire, Maurice White, aos 74 anos, após ter conquistado milhões de fãs no mundo inteiro com músicas como “Let’s Groove” ou “Boogie Wonderland”.

Os Estados Unidos perderam no início de abril outra figura importante do seu patrimônio musical: Merle Haggard, de 79 anos, cantor do gênero “outlaw country” (“country fora da lei”). Haggard decidiu se tornar músico após assistir um show de Johnny Cash em 1958 na prisão onde estava detido.

Fonte: Bol.com.br

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *