Últimas

NASA investe US$ 100 mil para transformar asteroides em naves espaciais

A NASA divulgou na semana passada a lista de projetos selecionados pelo seu programa de apoio à pesquisa NASA Innovative Advanced Concepts (NIAC). Dentre os projetos escolhidos estava “Reconstituting Asteroids into Mechanical Automata“, de autoria de Jason Dunn, que pretende transformar asteroides em naves.

O projeto, também chamado de Project RAMA, pretende enviar computadores e mecanismos analógicos para asteróides próximos da Terra. Os computadores, ao pousarem na rocha, teriam a capacidade de convertê-la em naves programáveis remotamente. Elas poderiam então ser usadas para objetivos simples e específicos, como interceptar objetos em rota de colisão com nosso planeta.

Dunn, que também esteve envolvido no desenvolvimento da impressora 3D que está à bordo da Estação Espacial Internacional, vê em seu projeto uma possibilidade de cortar custos. O uso de um asteroide convertido em nave para neutralizar objetos que pudessem bater na Terra seria mais barato, por exemplo, que as alternativas que a NASA já tem para esse fim.

Investimento em pesquisa

Os 13 projetos selecionados pela agência espacial dos EUA nessa fase receberão, cada um, US$ 100 mil para avaliar sua viabilidade ao longo dos próximos nove meses. No final desse prazo, aqueles que conseguirem demonstrar que são ideias executáveis receberão US$ 500 mil de fundos da NASA para custear dois anos de pesquisa e desenvolvimento.

Além do projeto de Dunn, a NASA também investirá em um projeto que usa bactérias para reciclar partes de aeronaves, e em um que pretende criar aeronaves semelhantes a pipas gigantes para limpar detritos na baixa atmosfera da Terra, segundo o Engadget. A agência espacial dos EUA possui outras linhas de investimento em pesquisa além dessa, como a que ofereceu, em agosto do ano passado, US$ 200 mil para um projeto que pretendia transformar fezes humanas em alimento.

Fonte: Olhar Digital
Matéria originalmente postada no site olhardigital.uol.com.br

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *