Últimas

Pansera sinaliza que não deve voltar ao ministério após votação do impeachment

O agora ex-ministro Celso Pansera (PMDB-RJ) sinalizou nesta quinta-feira que não deverá voltar para o governo federal após a votação do impeachment da presidente Dilma Rousseff na Câmara, marcada para o próximo domingo. Pansera pediu ontem exoneração do cargo de ministro da Ciência e Tecnologia e voltou ao posto de deputado federal para votar contra o impedimento da petista.

“Não acertei a volta com o governo. Na segunda-feira, a gente vê como fica”, afirmou o ex-ministro em entrevista antes do início da reunião da bancada do PMDB, em que os deputados da sigla devem fechar posição majoritária a favor do impeachment de Dilma. “O governo tem que fazer uma repatriação da base depois da votação e a presidente tem que ter liberdade para reorganizar sua base”, justificou.

Pansera afirmou que voltou para a Câmara para votar contra o impedimento de Dilma. Ele disse estar convencido de que a petista não cometeu crime de responsabilidade com a edição de decretos não autorizados pelo Congresso nem com as chamadas “pedaladas fiscais” – atraso no repasse do Tesouro Nacional a bancos públicos e ao INSS para pagar programas sociais. 

O ex-ministro disse que comunicou sua decisão de voltar ao mandato de deputado para votar contra o impeachment ao vice-presidente Michel Temer ainda no final de março. Pansera afirmou que só não voltou antes à Câmara para concluir projetos que estavam em andamento no Ministério da Ciência e Tecnologia.

Sanções 

O deputado Marcelo Castro (PMDB-PI), que também reassumiu o mandato na Câmara hoje para votar contra o impeachment de Dilma, disse que não está definido se voltará ao comando Ministério da Saúde.

“O cargo não é meu”, respondeu. Castro disse não ter medo de ser punido pela direção partidária por não seguir a maioria da bancada, favorável ao afastamento da presidente. “Nunca fiquei em cima do muro, defendo voto secreto para os outros, meus votos sempre foram abertos. Não temo qualquer tipo de sanção”, afirmou ao chegar à reunião da bancada.

O deputado disse respeitar a posição dos deputados contrários ao governo. “Não tem nada de golpe, é a posição de muitos deputados”, argumentou.

Fonte: Diário de Pernambuco
Matéria originalmente publicada pelo site Diário de Pernambuco

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *