Últimas

Parlamento venezuelano destitui ministro por crise de alimentos

Caracas, 28 Abr 2016 (AFP) – A maioria opositora no Parlamento venezuelano destituiu, nesta quinta-feira, o ministro da Alimentação, Rodolfo Marco Torres, ao votar uma moção de censura que o responsabiliza pela grave crise de escassez de alimentos.

“A moção foi votada por mais de três quintos dos deputados presentes”, informou o presidente da Assembleia, Henry Ramos Allup.

Allup ordenou que o presidente Nicolás Maduro seja notificado para que “proceda à remoção” do ministro destituído.

O líder do bloco governista, Héctor Rodríguez, afirmou que a decisão “é inaplicável” porque viola uma recente sentença do Tribunal Supremo de Justiça (TSJ) que modificou o regulamento interno e de debate do Legislativo.

“É ilegal, isto pode ser guardado no bolso”, afirmou Rodríguez, assinalando que o desabastecimento é fruto de uma “guerra econômica” e da drástica queda dos preços do petróleo, produto que representa 96% do total de divisas recebidas pelo país.

Torres é o primeiro funcionário do governo a ser destituído pelo Parlamento, dominado pela oposição desde janeiro passado, após 17 anos de hegemonia chavista.

“É mais um ato para desestabilizar o governo”, denunciou o deputado Ricardo Sanguino ao defender o ministro, um influente militar que já ocupou cerca de 20 cargos nos governos de Maduro e de seu antecessor, Hugo Chávez.

Durante a sessão, a bancada opositora culpou Marco Torres pela escassez de mais de dois terços dos alimentos básicos para os venezuelanos, em razão da “destruição” do aparato produtivo e da “corrupção” envolvendo as importações.

“Estamos diante da pior emergência alimentar da história da Venezuela”, afirmou o deputado Ismael García, promotor da moção e que atribuiu a crise ao “fracasso de um modelo que arruinou o país”.

García afirmou que a escassez de alimentos mostra que a Venezuela está “a beira de uma tragédia social”. “Por isto o povo está desesperado e assinando (para o referendo) pela mudança”.

O vice-presidente da Assembleia, Enrique Márquez, revelou que a coalizão Mesa da Unidade Democrática (MUD) já obteve 600 mil assinaturas em apenas um dia, “mais que o triplo de firmas necessárias para o primeiro passo” em direção ao referendo revogatório do mandato de Maduro.

Se o Conselho Nacional Eleitoral (CNE) validar estas assinaturas, a oposição será autorizada a reunir quatro milhões de firmas (cerca de 20% do eleitorado), mínimo necessário para convocar o referendo. Maduro será afastado caso receba contra ele pelo menos um voto a mais do que os 7.587.532 com os quais foi eleito.

A oposição teme que o governo tente adiar o referendo até 10 de janeiro de 2017, especialmente agora que o setor público se encontra praticamente paralisado.

Nesse dia, completam-se quatro anos do período iniciado por Hugo Chávez e que está sendo concluído por Maduro, após sua morte em março de 2013. Se o referendo acontecer depois dessa data, e Maduro for derrotado, a Constituição prevê que o vice-presidente – nomeado pelo próprio presidente – o substitua. Se for antes, haverá nova eleição presidencial.

Fonte: Bol.com.br

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *