Últimas

Presidente palestino pede resolução da ONU contra colonização israelense

Mahmud Abbas durante entrevista à AFP em Ramallah. Foto: Thomas Coex/AFP
Mahmud Abbas durante entrevista à AFP em Ramallah. Foto: Thomas Coex/AFP

O presidente palestino Mahmud Abbas afirmou em uma entrevista à AFP que está decidido a obter do Conselho de Segurança de ONU uma resolução contra as colônias israelenses nos Territórios Palestinos.

“Uma resolução agora é urgente porque Israel não cessou as atividades que ameaçam gravemente o projeto de dois Estados”, disse Abbas em Ramallah na segunda-feira, antes de uma viagem internacional.

Os palestinos começaram a divulgar um projeto de resolução que condena a colonização israelense, ou seja, a construção de assentamentos civis na Cisjordânia ocupada ou em Jerusalém Oriental, a parte da cidade de maioria árabe.

A comunidade internacional considera ilegal esta colonização.

O esforço palestino coincide com o projeto iniciado em janeiro pela França para organizar uma conferência internacional nos próximos meses, que estimule o processo de paz. Paris promove a iniciativa após o fracasso em 2014 dos esforços americanos de mediação.

“Vamos vigiar para que não existam contradições entre os dois temas”, o projeto de resolução e a iniciativa francesa, disse Abbas na sede da presidência palestina na Cisjordânia.

O governante palestino, de 81 anos, inicia nesta terça-feira uma viagem de duas semanas por Istambul, Paris, Moscou, Berlim e Nova York.

Na sexta-feira ele deve se reunir com o presidente francês, François Hollande, com quem diz ter uma relação “excepcional”, para obter informações sobre o avanço da iniciativa francesa.

Até o momento, Abbas afirma que ouviu sobretudo ideias da França.

“O que importa agora é ouvir do presidente se estas ideias se transformaram efetivamente em uma iniciativa que o governo francês vai realizar”, disse.

O horizonte se apresenta complicado. Além do fracasso da última iniciativa diplomática americana em 2014, ano em que palestinos e israelenses voltaram a protagonizar uma guerra em Gaza, mais de 200 pessoas morreram nos últimos seis meses em uma nova explosão de violência.

Do lado palestino persiste a divisão entre a Autoridade Palestina, estabelecida na Cisjordânia, e o movimento islamita Hamas, que governa a Faixa de Gaza.

Aberto a diálogo

Os israelenses não escondem a desconfiança a respeito da iniciativa francesa, que Abbas deseja promover durante a viagem internacional. Mas tampouco manifestaram uma oposição taxativa.

O primeiro-ministro, Benjamin Netanyahu, hostil ao que chama de “ditados internacionais”, insiste em uma retomada das negociações diretas entre israelenses e palestinos, sem condições prévias.

Abbas disse que, além das declarações de boa intenção, o diálogo não parece estar na ordem do dia.

“Estou disposto a encontrá-lo quando desejar”, disse.

Ele explicou que não está pensando em nenhuma condição, mas que Israel deve, isto sim, congelar a colonização e libertar um certo número de presos palestinos, o que para Netanyahu é inaceitável.

Incógnita Obama

Nos últimos meses, um veterano diplomata francês, Pierre Vimont, tentou preparar o terreno para uma futura conferência internacional e se reuniu com altos funcionários israelenses, palestinos, árabes, americanos e russos.

A direção palestina considera a França um de seus principais apoios no Ocidente. A grande incógnita é a atitude dos Estados Unidos e se o presidente Barack Obama fará um último esforço depois de mais de sete anos sem resultados.

Neste sentido é necessário observar se após anos de uma relação tensa com Netanyahu, Obama terá o desejo de enviar uma mensagem forte, permitindo a aprovação de uma resolução no Conselho de Segurança da ONU contra a colonização israelense na Cisjordânia.

Abbas estimulou Obama a dar o passo.

“Durante oito anos esperamos da administração americana medidas positivas a favor daquilo no que os Estados Unidos acreditam: uma solução consistente em dois Estados. No momento, a administração americana não fez isto”.

Fonte: Diário de Pernambuco
Matéria originalmente publicada pelo site Diário de Pernambuco

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *