Últimas

Resultado na Comissão do Impeachment não tem nenhuma surpresa, diz Cunha

O presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), avaliou que o resultado da votação do parecer pró-impeachment na Comissão Especial na segunda-feira não representa “nenhuma surpresa” para ele. Cunha também confirmou que o documento começará a ser discutido no plenário da Casa na próxima sexta-feira. A ideia é que as discussões durem até sábado, para que a sessão de domingo já comece diretamente com a votação de fato.

“Resultado não tem que achar nada, resultado é resultado. Pelo que vocês falavam na imprensa era (esperado)”, afirmou. “Não tem nenhuma surpresa até agora”, emendou após insistência dos jornalistas sobre a opinião dele.

O parecer favorável ao impedimento da presidente Dilma Rousseff foi aprovado por volta das 20h30 desta segunda-feira por 38 votos a 27. Não houve nenhuma abstenção. Dez partidos votaram a favor do parecer de Jovair e 10, contra. Outros quatro siglas liberaram o voto da bancada.

Procedimentos

O presidente da Câmara explicou que o parecer será lido na sessão plenária desta terça-feira a partir das 14 horas, o que deve tomar toda a sessão. A partir de então, o documento será publicado no Diário Oficial da Câmara na quarta-feira e votação começará na sexta-feira.

Cunha explicou que, no início da discussão, abrirá espaço para que os juristas que elaboraram o pedido de impeachment (Hélio Bicudo, Miguel Reale e Janaína Paschoal) e a defesa de Dilma falem no plenário. Só depois começará a fala dos parlamentares. O peemedebista disse que passou todo o dia de hoje “formatando” os procedimentos da votação, que serão repassados para líderes partidários durante reunião marcada para esta quarta-feira. “Vamos cumprir rigorosamente a lei”, disse.

Ele afirmou que dará até um hora para que até cinco representantes de cada partido falem – diferente do que ocorreu no processo de impeachment do ex-presidente Fernando Collor de Melo, quando houve acordo para reduzir o número de falas.

Ausentes

Cunha confirmou que a ausência dos deputados será ressaltada por ele em plenário e que os ausentes serão chamados uma segunda vez. “Cada um arcará com o ônus político de estar ausente”, afirmou, prevendo, contudo, que “quase a totalidade” dos deputados comparecerão.

O peemedebista voltou a dizer que fará a chamada dos deputados por Estado de acordo com o regimento. Nos bastidores, fala-se que o peemedebista chamará primeiros os Estados que votam a favor do impeachment, para tentar influenciar a decisão dos outros que tendem a votar contra.

Cunha ainda rebateu a tese de governistas de que ele deveria seguir o modelo adotado na votação do impeachment de Collor. Segundo ele, naquela época, não havia previsão regimental de chamada, que só foi estabelecida dois meses após a votação. “Essa historia de criar confusão sobre a ordem de chamada é porque talvez esteja com dificuldade de voto, ai consequentemente quer disfarçar para criar uma celeuma qualquer. Então, vai ser aquilo que regimento prevê interpretado forma correta”, disse.

Fonte: Diário de Pernambuco
Matéria originalmente publicada pelo site Diário de Pernambuco

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *