Últimas

Temer tentará nome técnico para a Agricultura, mas pode ceder a partidos

Um nome técnico e escolhido entre os “notáveis” do agronegócio seria a opção do vice-presidente Michel Temer para o Ministério da Agricultura, caso assuma o cargo após um eventual afastamento da presidente Dilma Rousseff pelo Senado, durante a investigação do processo de impeachment contra ela. Segundo aliados, com o apoio maciço do agronegócio pelo impeachment, Temer teria de dar uma resposta ao setor, um dos poucos que ainda resistem à crise econômica.

De acordo com um interlocutor de Temer, o presidente da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), João Martins se encontrou com o vice-presidente na semana passada. No encontro, Martins trouxe as preocupações do setor e informou a Temer que a ministra Kátia Abreu não representava mais os ruralistas. Procurado, Martins negou que tenha se encontrado com o vice-presidente.

Senadora pelo PMDB de Tocantins, Kátia Abreu optou pela fidelidade à presidente e deve voltar ao Senado caso Dilma seja afastada e Temer assuma o cargo. Ela será uma das articuladoras para tentar barrar o julgamento da presidente na Casa.

Mesmo em busca de um nome técnico, Temer poderia ceder aos partidos que apoiaram o impeachment e colocar um nome político no Ministério da Agricultura. A ideia é que esse nome tenha o perfil semelhante ao de Kátia Abreu que, antes de apoiar Dilma no processo de impeachment, era um consenso no setor.

Caso o perfil seja totalmente técnico, surge o nome do executivo e empresário rural João Sampaio, ex-secretário de Agricultura de São Paulo. Sampaio, que nega qualquer convite ou contato, tem ainda o perfil conciliador necessário para encarar a reação dos movimentos sociais do campo, como o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) e ainda a Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura (Contag), à saída de Dilma.

No entanto, a ligação de Sampaio com o PSDB, principalmente com o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, pode prejudicar a indicação caso os tucanos decidam não integrar o governo Temer.

Entre os políticos, os nomes lembrados são os dos deputados federais Alceu Moreira (PMDB-RS), do presidente da Frente Parlamentar do Agronegócio, Marcos Montes (PSD-MG), e Tereza Cristina (PSB-MS), além do senador Ronaldo Caiado (DEM-GO).

“Já ouvi o nome do Caiado, mas acho difícil. É um nome muito político”, disse uma fonte. Montes seria um candidato “muito forte e respeitado”, assim como Tereza Cristina, considerada “extremamente capacitada”.

Fonte: Diário de Pernambuco
Matéria originalmente publicada pelo site Diário de Pernambuco

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *