Últimas

Tribuna SBTpedia: O SBT e a não transmissão da votação do impeachment, por Gabriel Reis

O SBT e a não transmissão da votação do impeachment

Por Gabriel Reis* (gabrielviannareis@gmail.com) 

Ao contrário de Globo, Band, Record e RedeTV que modificaram suas grades de programação para a transmissão da sessão na Câmera dos Deputados que votou pela admissibilidade do processo de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff, o SBT seguiu com sua programação normal

Ontem, dentre as cinco maiores emissoras de televisão do país, apenas o SBT optou pela não transmissão da votação do impeachment na Câmara dos Deputados. 


A TV Globo cancelou as exibições de importantes atrações de seu domingo como o “Futebol” (não exibindo o jogo decisivo na Taça Guanabara no Rio de Janeiro e a semifinal da Copa do Nordeste), a “Temperatura Máxima” e o “Domingão do Faustão”. Anteriormente o “Superstar” foi constantemente interrompido pelo departamento de jornalismo da emissora. A TV Globo separou seus principais jornalistas para a cobertura: William Bonner, Alexandre Garcia, Heraldo Pereira, dentre outros repórteres espalhados por todo o Brasil que cobriram as manifestações desde cedo. A Band colocou na mesma bancada seus dois âncoras mais famosos: Ricardo Boechat e Boris Casoy, recebendo diversos convidados ao longo do dia e abrindo mão de sua tradicional grade esportiva que incluiria: “Band Esporte Clube”, “Gol, o Grande Momento do Futebol”, “Futebol” e o “Terceiro Tempo”. A TV Record, que está com um um desempenho fora do comum com seus programas de auditório aos domingos (“Domingo Show” e “A Hora do Faro”), também abriu a grade de programação. A partir da abertura da sessão às 14 horas, Geraldo Luís só apareceu no vídeo para se despedir do público e Rodrigo Faro nem entrou no ar. A RedeTV! abriu sua transmissão às 15 horas, a interrompeu às 16 horas para a dispensável exibição do “Sensacional com Daniela Albuquerque” por uma hora e meia, a retomando em seguida. Para a cobertura foram escalados, dentre outros: Luciano Faccioli, Mauro Tagliaferri, Amanda Klein e Reinaldo Azevedo. 


Ao contrário de todas as emissoras o SBT seguiu sua grade de programação normalmente. Quem assistiu a emissora de Silvio Santos viu o “Passa ou Repassa” e o cantor Zé Felipe no “Domingo Legal”, o “Dance se Puder”, uma matéria com Amado Batista e uma entrevista com a cantora Ludmila, no programa “Eliana” e as inúmeras atrações de Silvio Santos à noite. A cobertura na emissora ficou restrita a um curto plantão ancorado por Marcelo Torres após 342º voto favorável à admissibilidade do processo de impeachment na Câmara e a Roberto Cabrini dentro do seu “Conexão Repórter” (excepcionalmente exibido ao vivo). A tática decidida por Silvio Santos dois dias antes da votação repercutiu em diversos veículos de comunicação e nas redes sociais. A ideia do apresentador foi apostar numa contra-programação: enquanto todas as emissoras transmitiriam a votação, o SBT seria diferente. Em relação a audiência imediata, a curto prazo, a tática parece ter dado certo: 


– O “Domingo Legal”, apesar de ter fechado em terceiro lugar, bateu recorde anual de audiência com 8 pontos. A média das quatro semanas anteriores do programa apresentado por Celso Portiolli foi de 6; 


– “Eliana” marcou um dos melhores índices de sua história com 10,8 pontos e pico de 14. Após inúmeras derrotas para Rodrigo Faro, Eliana voltou a vencer a Record na tarde de ontem (que cancelou “A Hora do Faro” e optou pela cobertura do impeachment). Para efeito de comparação, nas quatro semanas anteriores o programa tinha fechado com 7,4 de média. 


– O desempenho de Silvio Santos à noite também foi acima do normal. Tanto o “Roda a Roda”, quanto o “Programa Silvio Santos” fecharam na vice-liderança isolada e marcaram recorde anual de audiência. O “Roda a Roda” marcou 9,6 pontos de média e o “Programa Silvio Santos” 12,4. Vale destacar que ontem o “Fantástico” terminou somente após a meia-noite, então Silvio Santos não pode se beneficiar da migração que ocorre após a revista eletrônica global. Mesmo assim, o índice foi muito superior ao das quatro semanas anteriores quando o “Roda a Roda” fechou com 8,9 pontos de média e “Programa Silvio Santos” com 10. 


Apesar do bom desempenho de audiência a curto prazo, é importante ressaltar a tragédia que essa decisão representa para o jornalismo da emissora. Infelizmente foi mais uma situação em que o SBT vai virar piada pela ausência de uma cobertura jornalística de um fato que mobilizou o país. Foi assim em outras situações como o “11 de setembro” e na completa ausência de debates nas eleições de 2002. Tal tipo de atitude prejudica imensamente a formação de público para os programas jornalísticos da emissora. Qual o telespectador vai confiar e criar um hábito de assistir a uma emissora que ignora os grandes fatos jornalísticos? As consequências desse tipo de decisão prejudicam a audiência a longo prazo. O “SBT Brasil”, principal telejornal do SBT, está há onze anos no ar e não consegue sair de 5/6 pontos, metade da audiência do “Jornal da Record”. O “Conexão Repórter com Roberto Cabrini”, apesar da vice-liderança assegurada aos domingos, nunca chegou nem próximo dos índices que Cabrini marcava na Record antes de ir para o SBT. Em junho de 2009, 40 dias antes de confirmar sua transferência para o SBT, o “Repórter Record Especial”, programa de reportagens de Cabrini na Record, fechou com 16 pontos de média. Nas últimas cinco semanas a média do “Conexão Repórter” é de apenas 6 pontos. 


Cabe ao SBT pensar se o que deseja é real consolidação do seu jornalismo ou se o investimento na área varia de acordo com o “humor do patrão”. Silvio Santos foi realmente genial pensando na estratégia a curto prazo. Eu mesmo não esperava que desse tão certo, mas será que vale a pena manter os investimentos em jornalismo para na “hora H” não utilizá-los? Carlos Nascimento e Rachel Sheherazade, os principais âncoras da casa, não apareceram nem no vídeo. Joseval Peixoto e Roberto Cabrini só apareceram após a meia-noite. É como ter um time de futebol com grandes craques e deixá-los no banco de reservas. 


O domingo passou e o que ficou? “Domingo Legal” e “Programa Silvio Santos” já são marcas tradicionais junto ao grande público, mas e o “SBT Brasil” e o “Conexão Repórter”, quantos conhecem? Com medidas como a de ontem, a consolidação desses produtos fica cada vez mais difícil.

*É graduado em Comunicação Social (Rádio e TV) pela Escola de Comunicação da UFRJ. Teve passagens pela TV Boas Novas e pelos canais Esporte Interativo, onde foi coordenador de programação. Atualmente escreve artigos de opinião às segundas-feiras no “SBTpedia”

Fonte: SBTpedia (www.sbtpedia.com.br)

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *