Últimas

Um terço da comissão do impeachment no Senado é investigada pelo STF

Dos 21 parlamentares indicados para a comissão do impeachment no Senado, mais de um terço responde a inquéritos no Supremo Tribunal Federal. Dos oito senadores com processos, quatro deles integram a lista dos políticos investigados pela Operação Lava-Jato. Antes de levar o caso ao plenário da Casa, o grupo será responsável, a partir de hoje, por analisar a denúncia contra a presidente Dilma Rousseff.

Indicados para a presidência e relatoria da comissão, os senadores Raimundo Lira (PMDB/PB) e Antonio Anastasia (PSDB/MG) ficaram de fora dessa lista. Em fevereiro, o STF arquivou um inquérito que investigava a suposta participação do tucano na Lava-Jato.

Já Gleisi Hoffmann (PT/PR), Lindbergh Farias (PT/RJ), Fernando Bezerra (PSB/PE) e Gladson Cameli (PP/AC) são os senadores investigados por suposto envolvimento na corrupção na Petrobras. Lindbergh é o que responde ao maior número de processos: cinco.

Gleisi é alvo de dois procedimentos. Em março, a Polícia Federal indiciou a senadora e seu marido, o ex-ministro do Planejamento Paulo Bernardo, por suposto recebimento de R$ 1 milhão. Lindbergh teria recebido propina desviada da estatal de R$ 2 milhões para financiar a campanha ao governo do Rio em 2014 Além disso, ele é investigado em quatro procedimentos. O senador Fernando Bezerra, que responde a quatro inquéritos, foi citado na delação do ex-diretor da estatal Paulo Roberto Costa por ter recebido R$ 20 milhões na época em que ele era secretário do governo de Pernambuco. Cameli é um dos parlamentares do PP relacionados à corrupção da Petrobras. Ele também responde a um processo por dirigir bêbado

Aloysio Nunes (PSDB/SP) é alvo de um inquérito que está oculto no sistema do STF, em razão de desdobramentos da Lava-Jato. Os outros parlamentares da comissão que enfrentam investigações no STF são Simone Tebet (PMDB-MS), Wellington Fagundes (PR/MT) e Vanessa Grazziotin (PcdoB/AM).

A assessoria de Gleisi diz que não há provas contra a senadora. Lindbergh afirma “que todas as doações de campanha foram registradas na forma da lei” e que os demais casos foram arquivados. Fernando Bezerra diz “que ao final dos inquéritos tudo ficará esclarecido”. A assessoria de Aloysio diz que o senador tem “total interesse no imediato esclarecimento dos fatos”. Simone afirma que não é ré em nenhuma ação. Vanessa diz que os inquérito contra ela decorre de processos movidos por adversários políticos. 

Fonte: Diário de Pernambuco
Matéria originalmente publicada pelo site Diário de Pernambuco

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *