Vida de atriz francesa é tema de ópera contemporânea em São Paulo

A vida da atriz francesa Adrienne Lecouvreur, que viveu em fins do século 17 e início do 18, inspira a ópera “Adriana Lecovreur”, composta por Francesco Cilea (1866-1950), em cartaz até o próximo domingo (17), no Theatro São Pedro, região central de São Paulo.

A soprano Daniella Carvalho dá a vida à personagem-título na montagem contemporânea, que tem inspiração em “reality show” para contar sobre a rotina de uma celebridade.

“Adriana foi uma atriz da Comédie Française que foi à frente de seu tempo. É muito legal trazer esse personagem para contextos contemporâneos, de como a vida de celebridade é solitária, como você vai para o hotel, tem que ficar quieto, tem que se poupar, é um trabalho muito árduo. Mostra essa solidão, essa fragilidade da celebridade”, contou Daniella, em entrevista ao UOL.

“Eu não sei, porque não sou uma [celebridade] “, brinca a atriz. “Mas tem essa coisa da câmera no rosto o tempo inteiro. É muito interessante, pois deixa mais perto da nossa realidade”, comenta a atriz.

Heloisa Bortz

Cena da ópera “Adriana Lecouvreur”

A montagem contemporânea é um dos pontos que a soprano aponta para atrair um público maior ao teatro. Apesar da crise econômica do país, segundo Daniella, o público de óperas não é pequeno e se mostra, surpreendentemente, jovem. “Essas montagens mais contemporâneas, que mesclam artes plásticas, música, está trazendo um público muito ‘cool’, que discute arte, e está tendo muito mais um púbico jovem”, diz. “Está ficando menos elitizado, eu acho, e deixa a ópera mais próxima da atualidade, mais acessível”.

Depois de encerrar a temporada em São Paulo, Daniella segue para o Rio de Janeiro, onde canta “Réquiem”, de Giuseppe Verdi, em um concerto com o Coro e a Orquestra Sinfônica do Theatro Municipal, no dia 30 de abril.

A ópera

Dividida em quatro atos, a trama conta que Adriana é apaixonada por Maurizio, Conde da Saxônia, a quem ela conhece apenas como um soldado. Sua rival é a princesa de Bouillon, que sente ciúmes de Adriana e Maurizio e planeja uma vingança.

Ela, então, envenena um ramo de violetas e envia para Adriana, certa de que ela irá acreditar que as flores foram enviadas por Maurizio. O conde chega para pedir a mão de Adriana em casamento pouco antes que ela morra.

Escrita no início do século 20, a ópera original abordava o universo artístico do final do século 17. No atual século 21, a montagem, com adaptação e direção de André Heller-Lopes, que conta sobre o universo artístico das celebridades de “reality show”, situações de invasão de privacidade e a perseguição dos paparazzi. O ambiente pode ser outro, mas temas como amor, ciúme e vingança continuam os mesmos na trama.

A regência e direção musical são de Luiz Fernando Malheiro, com exceção dos dias 13 e 15 de abril, quando a orquestra será comandada por Flávio Lago.

Todas as récitas de “Adriana Lecouvreur” serão antecedidas por uma palestra gratuita ministrada por Sergio Casoy, que traz informações sobre a vida do compositor, história da ópera e curiosidades.

Serviço
Ópera “Adriana Lecouvreur”
Quando: Dias 6, 8, 13 e 15 de abril, às 20h; dias 10 e 17 de abril, às 17h
Onde: Theatro São Pedro – Rua Dr. Albuquerque Lins, 207, metrô Marechal Deodoro, São Paulo
Quanto:
2º balcão: R$ 30
1º balcão: R$ 40
Plateia: R$ 80 
Vendas:
– Internet: www.ingressorapido.com.br
– Bilheteria: Acesso pela Rua Barra Funda, 171, metrô Marechal Deodoro. Atendimento de terça a sábado, das 10h às 20h e domingo das 10h às 18h
– Telefone: 4003 1212
Acessibilidade: Nas récitas dos dias 13 e 15, às 20h, e 17 de abril, às 17h haverá acessibilidade para cegos e surdos.
Duração: 120 minutos
Mais informações: (11) 3661.6600 e www.theatrosaopedro.org.br

Fonte: Bol.com.br

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *