Voz romântica de "Me and Mrs. Jones", Billy Paul morre aos 81 anos nos EUA

O cantor soul americano Billy Paul, conhecido pela voz grave romântica e seus inúmeros sucessos nos anos 1970, morreu neste domingo (24), aos 81 anos, em Nova Jersey. A informação foi publicada no site oficial do artista.

Segundo entrevista do empresário do cantor à rede NBC Philadelphia, ele foi diagnosticado com câncer e hospitalizado na semana passada no hospital Temple University. Paul morreu em casa, no bairro de Blackwood.

“Lamentamos informar que Billy faleceu hoje em sua casa após séria condição médica. Gostaríamos de estender as nossas mais sinceras condolências a sua mulher Blanche e à família pela perda, enquanto eles e o mundo choram a perda de outro ícone musical que ajudou a criar o R&B de hoje”, diz o comunicado divulgado no site do cantor.

“Billy fará falta verdadeiramente. Por favor, compartilhe seus pensamentos, mensagens e histórias de Billy como nos lembramos deste lendário artista, membro da família e amigo.”

Trajetória

Natural da Filadélfia, Billy Paul começou sua carreira musical com 11 anos, quando começou a ser apresentar em rádios locais. No início da trajetória, chegou a se apresentar em clubes e universidades ao lado de lendas do jazz como Charlie Parker, Nina Simone e Miles Davis.

Após servir o Exército, Paul lançou seu primeiro álbum em 1968, quando já tinha 33 anos. Durante a década de 1970, fez fama com sua voz rouca e estilo romântico, que combinava música pop tradicional com arranjos orquestrados.

Ao lado de nomes como Kenny Gamble, Leon Huff e Thom Bell, ficou conhecido como um dos expoentes do chamado “philly soul”, a música soul da Filadélfia.

Seus grandes sucessos foram as faixas “Me and Mrs. Jones” vencedora do Grammy inspiração de “Me & Mr Jones”, de Amy Winehouse e a cover de Elton John “Your Song”, ambas lançadas em 1972 no álbum “360 Degrees of Billy Paul”, seu disco mais vendido.

Em entrevista ao UOL em agosto do ano passado, Billy Paul comentou sua relação com o Brasil, que visitou inúmeras vezes desde 1976, e com o público feminino. “Amo as mulheres, tanto as que me fazem rir quanto as que me fazem chorar. Eu canto canções doces. Eu canto para elas.”

Fonte: Bol.com.br

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *