Últimas

600 mil pessoas receberam dinheiro do Fundo PIS/Pasep de novembro a março

  • Shutterstock

Quem trabalhou como contratado em uma empresa ou como servidor público antes de 4 de outubro de 1988 pode ter dinheiro para receber do Fundo PIS/Pasep. 

Porém, muitas pessoas não sabem disso. Tanto que, em março, o governo informou ao UOL que cerca de 4,6 milhões de trabalhadores (830 mil servidores públicos e 3,79 milhões do setor privado) poderiam ter direito a sacar todo o saldo disponível nesse fundo. 

O governo, o Banco do Brasil e a Caixa Econômica Federal começaram a divulgar mais o assunto, e o resultado foi positivo: entre novembro de 2015 e março de 2016, mais de 614 mil beneficiários sacaram os valores a que tinham direito, informou o Ministério da Fazenda nesta terça-feira (10).

O destaque foram as pessoas com mais de 70 anos: foram 190 mil saques feitos nesse período. 

Veja os principais pontos:

  • A regra vale para trabalhadores de empresas privadas ou servidores públicos
  • que trabalharam antes de 4 de outubro de 1988
  • e que ainda não sacaram todo o valor do Fundo PIS/Pasep.
  • Só pode sacar o dinheiro todo em casos específicos, como aposentadoria e doença;
  • fora isso, é possível receber o rendimento (juros e correção) uma vez por ano.

Como descobrir se tenho direito?

Para saber se tem algo a receber, quem trabalhou antes de 1988 deve procurar:

  • uma agência da Caixa Econômica Federal, se trabalhava numa empresa privada;
  • uma agência do Banco do Brasil, se era servidor público.

É preciso levar um documento com foto e informar seu número PIS ou Pasep. Se não souber, basta apresentar nome e CPF do trabalhador.

O Tesouro afirma que a Caixa e o BB começaram a enviar cartas aos trabalhadores que têm o direito, para evitar que muitas pessoas procurem os bancos ao mesmo tempo.

O que é o Fundo PIS/Pasep?

Até 1988, as empresas e órgãos públicos depositavam dinheiro em um fundo chamado “Fundo PIS/Pasep” em nome de cada um dos seus funcionários e servidores contratados.

Cada trabalhador, então, tornava-se dono de uma parte (cota) no fundo.

É o abono salarial?

Não, esse direito é diferente do abono salarial

O abono salarial é um valor adicional pago atualmente uma vez por ano ao trabalhador que recebe, em média, até dois salários mínimos por mês. 

Quantas pessoas estão nesse fundo?

Ao todo, o fundo tem 30,5 milhões de cotistas, sendo 25,5 milhões que eram do setor privado (PIS) e 5 milhões que eram do setor público (Pasep).

O total de recursos em 30 de junho de 2015 era de R$ 37,9 bilhões. O saldo de cada trabalhador é diferente. Se fosse um valor igual para todo mundo, a cota de cada um seria, em média, de R$ 1.486.

Quem tem dinheiro no Fundo PIS/Pasep?

O trabalhador que atende aos seguintes requisitos:

  • trabalhou como contratado em uma empresa ou como servidor/empregado público antes de 4 de outubro de 1988;
  • e ainda não sacou sua parte do fundo.

Tenho dinheiro no fundo. Posso sacar tudo?

Sim, mas somente nos seguintes casos:

  • ao se aposentar;
  • ao completar 70 anos;
  • em caso de invalidez (do trabalhador ou de seu dependente);
  • em caso de doença grave.

Se o trabalhador morrer, o valor integral deve ser pago aos seus dependentes.

Não posso sacar tudo ainda. O que acontece?

Todos que têm participação no fundo têm direito a receber, anualmente, o rendimento (juros e correção monetária) de sua parte.

A data para receber o rendimento a cada ano varia de acordo com o número final do registro no PIS/Pasep. A data limite é 30 de junho. 

Se o trabalhador não sacar o rendimento até esse dia, ele vai ser guardado junto com o restante de seus recursos no fundo, até que todos os recursos possam ser sacados.

Mais informações:

O site do Tesouro Nacional traz mais informações sobre o assunto: http://zip.net/blsNBG (link encurtado e seguro).

(Com Agência Brasil)

Fonte: Bol.com.br

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *