Últimas

"A realidade está ultrapassando a ficção", diz Eliane Giardini

No ar em “Êta Mundo Bom”, Eliane Giardini atribui o sucesso da novela das seis à busca do público por um conteúdo leve na TV, já que a situação política no Brasil oferece ao povo um capítulo novo a cada dia – algumas vezes confuso – como aconteceu nesta segunda-feira (9) com a anulação de sessão do impeachment feita pelo presidente interino da Câmara dos Deputados, Waldir Maranhão, que posteriormente foi rejeitada pelo presidente do Senado, Renan Calheiros.

“A gente vem de um período bem conturbado, onde a realidade está ultrapassando a ficção, acima de qualquer coisa, é não é uma ultrapassagem engraçada, é pesado o clima. Um clima de descontentamento, de falta de valores, de credibilidade. Quando falta credibilidade nas pessoas em que você delega suas decisões, as coisas ficam graves. Achei desde o começo que a novela podia cumprir um momento de um respiro, é uma novela de época, rural, fala de valores da família, do ser humano, é um tempo que faz falta, que o espectador reivindica”, contou a atriz nos bastidores da gravação da última quinta-feira (5).

Eliane acredita que com a trama leve de Walcyr Carrasco, repleta de humor pastelão, o público consegue sonhar e se desligar um pouco das dificuldades da vida real.

João Miguel Júnior/TV Globo

Candinho (Sérgio Guizé) e a mãe, Anastácia (Eliane Giardini)

“Acho que a novela é um espaço de ideal para o espectador, o mal é punido, o bem é exaltado e quando não acontece isso, as pessoas ficam muito iradas porque a vida já é incontrolável. A novela é um espaço de sonho, de fantasia, onde existe punição, regras, valores. A novela dá esse respiro pras pessoas.”, opina.

Para a atriz, a questão do sucesso da audiência na novela, que tem batido recorde com frequência em São Paulo e Rio de Janeiro,  é uma caixinha de surpresa, já que dificilmente é possível saber se um projeto vai ou não emplacar na TV.

“É claro que tudo isso podia dar muito errado, a gente nunca sabe. As pessoas podiam achar tudo isso muito chato. Tudo pode acontecer, graças a Deus tudo deu certo. Os personagens são todos muito queridos. Sinto muito na rua, só senti isso antes quando estava fazendo ‘Avenida Brasil’, de você estar no aeroporto e as pessoas com caras estressadas te olharem e ficarem relaxadas. Todo mundo fala que ama a novela, que adora o Candinho (Sérgio Guizé), que adoraram o encontro da mãe com ele. Achei uma coisa sensacional isso do Walcyr não deixar esse gancho pro último capítulo, de dar isso de presente para o telespectador”, diz.

João Cotta/ TV Globo

Anastácia (Eliane Giardini) toma café da manhã e observa Mafalda (Camila Queiroz) com a porquinha Nina no colo

Nos próximos capítulos de “Êta Mundo Bom”, Anastácia, personagem de Eliane, será surpreendida com Cunegundes (Elizabeth Savalla) se mudando de mala e cuia para seu palacete, com os filhos, o marido e até a porquinha Nina, de Mafalda (Camila Queiroz), que vai bagunçar ainda mais o ambiente.

“Está bem divertido os bastidores com o núcleo da fazenda. Vou sentir falta quando eles forem embora, porque a gente é bem calmo. Isso aqui está um pandemônio, tem lagostas subindo, a porca andando pra cima e pra baixo. É divertido, pra gente é gostoso”, conta Eliane.

Para fugir um pouco da bagunça que tornou sua casa, Anastácia sairá para jantar com Pandolfo, irmão gêmeo de Pancrácio (Marco Nanini) no capítulo que deve ir ao ar a partir do dia 16 de maio.

“Acho que ela vai ficar com o Pancrácio, ela não gosta muito do Pandolfo, não. Mesmo neste jantar, ela já percebe que o único atrativo que ele teria no caso é o fato dele ter dinheiro, mas dinheiro ela já tem, não tem atração nenhuma por ele. Ela gosta mesmo é da filosofia, das loucuras e sabedorias do Pancrácio”, explica a atriz.

Fonte: Bol.com.br

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *