Últimas

Antonio Figueira: Hospital da Mulher do Recife

Por Antonio Figueira

Médico e secretário da Casa Civil de Pernambuco

Primeiro hospital de porte construído pela Prefeitura do Recife em toda a sua história, o Hospital da Mulher do Recife representa um marco para a saúde pública na cidade e na região. 

Ainda na construção do programa de governo do então candidato Geraldo Julio, surgia forte a proposta da construção de um hospital dedicado à mulher. Era ao mesmo tempo uma iniciativa que tinha toda justificativa técnica, embasada na realidade epidemiológica da cidade, assim como era um forte clamor da sociedade, em especial, das mulheres. A rede de saúde de urgências e emergências estava mais bem organizada em Pernambuco, após o sucesso da implantação dos hospitais metropolitanos e das unidades de pronto atendimento na era Eduardo Campos. Importantes iniciativas haviam sido tomadas também no âmbito do governo do estado quanto à reorganização da rede de atenção materno-infantil, mas restava a lacuna da ampliação do acesso à atenção qualificada da gravidez e do parto de alto risco. 

Com a vitória nas urnas, o prefeito recém-eleito e ainda nem empossado trabalhou muito para mobilizar a bancada federal de Pernambuco, que não hesitou em apoiar o projeto através de suas emendas parlamentares. E no primeiro ato público após a posse do secretariado, o prefeito Geraldo Julio e o governador Eduardo Campos estiveram juntos nas margens da BR-101 para apresentar ao Recife o seu futuro hospital, com projeto arquitetônico doado pelo estado a ser construído em terreno cedido pelo Dnit. 

O projeto foi então adequado e aprimorado às necessidades da capital e executado com esmero, sob o monitoramento  do próprio chefe do executivo municipal. O resultado de tanto trabalho agora ganha contornos de realidade. Equipamentos modernos, instalações excelentes e serviços especializados programados para acolher as maiores necessidades da população feminina, sem abrir mão da humanização do atendimento. Importante destacar que a entrega ocorre num dificílimo momento em que o crônico subfinanciamento do SUS se agrava ainda mais com o aprofundamento da crise econômica e política por que passa o país. 

A homenagem à Dra. Mercês Pontes Cunha, que dá nome ao hospital, está mais que justificada pelo seu pioneirismo e comprometimento com a causa da Saúde da Mulher. Médica determinada, formou gerações de profissionais e contribuiu para a consolidação de serviços de diagnóstico do câncer na mulher em toda a região.

Fonte: Diário de Pernambuco
Matéria originalmente publicada pelo site Diário de Pernambuco

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *