Últimas

Austeridade veio para ficar, avalia Meirelles

Em um gesto simbólico depois que assumiu o cargo de presidente em exercício, Michel Temer vai ao Congresso Nacional para defender seus projetos, principalmente a aprovação do rombo de R$ 170,5 bilhões das contas públicas em 2016. Ele visa demonstrar a importância do Legislativo para o êxito de seu governo. Temer deverá fazer um discurso no qual pedirá, apenas esta vez, a mudança da meta fiscal e não agirá como a presidente afastada Dilma Rousseff, que encontrou dificuldade para fazer a mesma alteração quando precisou.

A semana de Temer começará agitada com o anúncio, amanhã à tarde, de mais corte de gastos e medidas para controlar a dívida pública, um dos principais objetivos da gestão do ministro da Fazenda, Henrique Meirelles. Ontem, o presidente em exercício se reuniu com Meirelles e o titular do Planejamento, Romero Jucá, em São Paulo, justamente para fechar as medidas que serão publicadas amanhã.

Antes de participar da reunião com Temer, o ministro da Fazenda afirmou que “as medidas de austeridade (fiscal) estão aí para ficar”. Meirelles destacou que tais ações por parte do governo “serão fundamentais para o equilíbrio das contas públicas, e mais importante, para que isso sinalize uma volta da confiança, do crescimento”. Na sua avaliação, o retorno da confiança ao país será essencial para o aumento dos investimentos, do consumo, das vendas. “É um ciclo virtuoso que pode levar ao crescimento, que é exatamente a inversão do processo atual que foi gerado por uma queda da confiança da economia.”

Para Meirelles, as medidas visam que o “o aumento das despesas no futuro seja menor e que possamos ter um Estado brasileiro totalmente financiável no futuro, com finanças equilibradas e uma trajetória de dívida pública sustentável”. Ele destacou que entre as medidas que serão anunciadas amanhã pelo governo não estará a proposta da reforma da Previdência Social, que está em estudos, contará com a análise de uma comissão formada por centrais sindicais, o Poder Executivo e especialistas e será divulgada no devido tempo

O ministro da Fazenda mostrou-se otimista com a receptividade do Congresso Nacional sobre as medidas de austeridade fiscal que serão apresentadas pelo governo. “Espero do Congresso que entenda as necessidades do povo brasileiro e das finanças públicas. Acredito que será uma negociação muito produtiva, todos os contatos que tenho tido até o momento são muito positivos.” Meirelles destacou que eventualmente está conversando com lideranças no parlamento e que “a receptividade é boa”.

O novo governo está correndo porque diz ter encontrado resultados piores do que esperava nas contas federais, o que assustou analistas do mercado financeiro. Fora isso, a crise política também afetou os indicadores e eventuais planos de investimentos privados. Para recuperar a confiança e melhorar as expectativas, uma boa relação com o Legislativo e aprovação do primeiro projeto prioritário do governo interino são considerados cruciais.

Shutdown A ida ao Congresso do presidente em exercício tem como objetivo a não paralisação da máquina pública com o chamado shutdown. Caso o Congresso não aprove até o dia 30 a mudança da meta fiscal, o governo precisará contingenciar R$ 138 bilhões para se adequar às previsões de receitas e despesas anunciadas pela nova equipe econômica. Na avaliação do secretário-executivo do Planejamento, Dyogo Oliveira, esse contingenciamento seria “inexequível, já que a base contingenciável hoje é de apenas R$ 29 bilhões”.

Sindicância

O novo ministro da Advocacia-Geral da União (AGU), Fábio Medina Osório, decidiu abrir sindicância para apurar a atuação de seu antecessor no cargo, José Eduardo Cardozo, que foi responsável por defender a presidente afastada Dilma Rousseff no processo de impeachment. O novo chefe da AGU quer apurar se, ao defender a petista, Cardozo incorreu em desvio de finalidade. “A ideia não é punir o Cardozo, mas apurar os fatos e normatizar para não permitir o uso abusivo da AGU. Ele não deveria atuar como advogado privado, estava na representação institucional da AGU”, afirmou Osório. Cardozo se disse indignado com a abertura de sindicância e acusou Osório de fazer uma “evidente tentativa de intimidação” de sua atuação como advogado. Para o ex-ministro, é “inaceitável a AGU praticar “censura à liberdade de um advogado defender em um processo de natureza jurídico-política as teses que julga adequadas”. Cardozo disse ainda que vai representar no Comitê de Ética da Presidência contra “o ato ofensivo” praticado por Osório.

Assista Agora

powered by

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Faça seu login para comentar
publicidade

Fonte: Diário de Pernambuco
Matéria originalmente publicada pelo site Diário de Pernambuco

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *