Últimas

Barroso rejeita ação que tentava impedir nomeação de ministros por Temer

O ministro Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF), negou nesta quarta-feira uma ação de um diretório municipal do PT que tentava impedir que o vice-presidente Michel Temer nomeie ministros de Estado, caso assuma a presidência da República após o eventual afastamento da titular, Dilma Rousseff. O ministro defendeu que o chefe do Executivo, mesmo que em exercício, tem prerrogativa para escolher quem deverá ocupar os cargos no governo.

Saiba mais…



Jucá diz que posse de ministros de Michel Temer deve ser nesta quinta-feira à tarde


Em entrevista à CNN, FHC diz que existem argumentos para afastamento de Dilma


Abimaq diz que eventual governo Temer precisa apresentar resultados rapidamente


Polícia prende hacker que extorquiu Marcela Temer


Assessores de Dilma veem clima de fim de festa e alguns já procuram emprego


Após críticas do diretor da PF, Dilma recua e abre os cofres


Ministros de Dilma terão que entrar em quarentena, mas continuarão com salários


Agripino diz que Temer assumirá governo de emergência e precisará de atitudes


Eduardo Braga se ausenta de votação no Senado para cuidar da saúde


Da janela do Planalto, Dilma observa Esplanada vazia por interdição


Padre pró-impeachment entra no Senado e distribui presentes


Em discurso, Aécio afirma que já havia alertado Dilma sobre as pedaladas


Eduardo Amorim diz que Dilma planejou milimetricamente seus crimes de responsabilidade


Após ser fotografada na janela do Palácio do Planalto, Dilma vai para Alvorada


Aécio reforça apoio a eventual governo Temer e diz que reformas são prioridades


Serra diz que não acredita que julgamento do impeachment de Dilma vá demorar 6 meses


Militantes contra e a favor do impeachment voltam a entrar em confronto no Rio


Dilma falará nesta quinta-feira às 10 horas no salão leste do Planalto


Dilma deve se reunir ainda hoje com alguns ministros


Humberto Costa: governo questionará no STF mérito do crime de responsabilidade


“Indícios me levam a votar pela admissibilidade da denúncia”, diz Cristovam Buarque


Dilma encaminha pedido de urgência para projetos de combate à corrupção


Renan propõe reduzir tempo de fala, mas, sem consenso, requerimento não é votado


Exército reforça segurança nas proximidades das residências oficiais em Brasília


Internautas promovem ‘vomitaço’ contra Temer e PMDB no Facebook


Marcela Temer e filho chegam ao Palácio do Jaburu


PT e PCdoB lançam movimento ‘Temer, o ilegítimo’ e prometem oposição


PP deu até domingo para Maranhão dar resposta sobre renúncia, diz Ciro Nogueira


Votação do impeachment atrasa e só deve começar por volta das 2h


Em despedida, Mercadante diz a servidores do MEC que é pós-graduado em oposição


“Vamos votar a proposta de meta fiscal encaminhada por Dilma”, diz Jucá


Sou contra “acelerar” votação do afastamento de Dilma, diz Eunício Oliveira


Durante coletiva, o que parece ser o dente do senador Renan Calheiros cai; assista


“Não pago amante com dinheiro de empreiteira”, diz Delcídio


Jucá diz que Temer não vai mexer no Bolsa Família

Se o Senado aprovar o afastamento de Dilma, o processo do impeachment é oficialmente aberto e a Casa terá 180 dias para julgar a petista. Temer assume, então, a Presidência da República. De acordo com o ministro do STF, se o peemedebista ficasse impedido de exercer as funções privativas do cargo, o País ficaria “virtualmente acéfalo”.

Portanto, além de nomear e exonerar ministros, Barroso reconhece que, se substituir Dilma, Temer, além de poder nomear e exonerar ministros, será responsável por sancionar e vetar leis, celebrar tratados, comandar as Forças Armadas e editar medidas provisórias, conforme prevê a Constituição.

“O prazo de 180 dias de afastamento do presidente da República corresponde a um lapso razoável para a conclusão do processo por crime comum ou de responsabilidade. Pela tese da inicial, o País ficaria virtualmente paralisado, já que não poderia ser administrado nem pelo presidente afastado, nem pelo vice-presidente. De resto, a pretensão do impetrante significaria dar uma espécie de estabilidade aos atuais Ministros de Estado, que eles não teriam na hipótese de não afastamento da Chefe do Poder Executivo”, escreve o ministro.

Barroso também afirma que a interferência excessiva do direito e do Poder Judiciário na política pode prejudicar a separação dos poderes e o funcionamento da democracia. “Agrega-se ao dia a dia político um elemento de insegurança, consistente em saber como o Judiciário se pronunciará sobre os mais variados atos praticados pelo Executivo e pelo Legislativo, inclusive aqueles eminentemente internos, como os atos de nomeação e exoneração de Ministro de Estado.”

Na ação, um mandado de segurança com pedido de liminar, o diretório do PT de Cidade Ocidental, município de Goiás que fica no entorno do Distrito Federal, alega que, mesmo afastada, Dilma continua sendo presidente até que seja finalmente julgada pelo Senado. Segundo o documento, os atos de Temer no cargo não teriam segurança jurídica.

Fonte: Diário de Pernambuco
Matéria originalmente publicada pelo site Diário de Pernambuco

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *