Últimas

Espero que surta efeito, diz única do país a assinar carta à OMS sobre Rio-2016

nica brasileira signatria da carta redigida por 150 especialistas OMS (Organizao Mundial de Sade) que pede adiamento ou transferncia dos Jogos Olmpicos do Rio, a professora Dbora Diniz, 46, afirmou que sua motivao foi questionar a entidade e o governo brasileiro sobre as indefinies quanto ao vrus da zika.

Especialista em biotica e professora da Universidade de Braslia, ela faz parte de um grupo internacional que aderiu ao manifesto. Em sua opinio, faltam pesquisas e esclarecimentos sobre a doena que garantam proteo sade, sobretudo a das mulheres.

“Temos ou no temos uma epidemia no Brasil? Temos ou no temos uma srie de perguntas relacionadas transmisso vertical do zika?”, indagou Dbora, referindo-se principalmente atuao do governo federal.

“Minha perspectiva dupla: de sade global e a sade das mulheres. H seis meses falamos sobre os impactos da doena e o silncio do governo brasileiro com relao a incluir as mulheres no centro da epidemia. Olimpada um momento de grande trnsito internacional de visitantes para o pas. um momento de um risco global”, complementou.

A estimativa a de que 500 mil turistas estrangeiros visitem o Rio no perodo dos Jogos, que ocorre de 5 a 21 de agosto. A professora disse estar ciente de que h um “rito montado” e de “haver muito dinheiro envolvido”, o que impediria a remarcao dos Jogos Olmpicos. Porm, ela reiterou sua preocupao com a disseminao do vrus.

Pedro Martins/Agif/Folhapress
Vista a
Vista area do conjunto de instalaes do Complexo Esportivo Cidade dos Esportes, na zona oeste do Rio

Dbora lembrou que, neste ms, a OMS fez recomendaes para que as pessoas usem manga comprida, faam relaes sexuais protegidas e permaneam o mximo de tempo possvel nos hotis, em quartos com ar-condicionado, durante a estadia no Rio.

“Qual o sentido de uma Olimpada se recomendam s pessoas ficarem no hotel?”, questionou.

Os Jogos Olmpicos recebero cerca de 10.500 atletas de 42 modalidades, pertencentes a 206 naes filiadas ao COI (Comit Olmpico Internacional).

“Eu espero que [a carta] surta algum efeito. No iria me expor tanto se no esperasse uma resposta genuna da OMS. s vezes, as organizaes precisam ser impulsionadas pela sociedade civil”, assinalou.

Ela criticou tambm a passividade das autoridades e da sociedade brasileira em meio proliferao do vrus.

“Me impressiona termos tido um movimento to grande no Brasil como o ‘No vai ter Copa’ e, nesse momento, no conseguirmos fazer o mesmo em nome da iminncia de um risco to grande. Me parece que porque a doena est concentrada em regies empobrecidas e annimas do pas.”


Fonte: Folha.com.br

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *