EUA faz crítica velada ao Egito na ONU por repressão à imprensa

Nova York, 11 Mai 2016 (AFP) – A embaixadora americana nas Nações Unidas, Samantha Power, criticou o Egito implicitamente nesta quarta-feira por seus ataques à liberdade de expressão, ao considerar que a luta contra o “terrorismo” não pode servir de pretexto para a repressão.

Power se pronunciou durante um debate do Conselho de Segurança da ONU, presidido pelo chanceler egípcio Sameh Shoukry, sobre medidas para combater a propaganda extremista. Em maio, o Egito assume a presidência rotativa do Conselho.

“Nossa meta comum de lutar contra a ideologia terrorista nunca deveria ser usada como um pretexto para reprimir a oposição política”, afirmou a embaixadora americana, sem se referir explicitamente ao Egito.

“Prender jornalistas, condená-los à morte, tratar a imprensa como inimiga do Estado: essas ações são inteiramente contraproducentes”, acrescentou.

Este mês, o Sindicato dos Jornalistas do Egito denunciou o governo do presidente Abdel Abdel Fatah al-Sissi de estar “em guerra” com a imprensa, depois da detenção de dois jornalistas em 1º de maio, acusados de provocação.

Ao todo, 29 jornalistas estão presos no Egito, alguns há mais de três anos, completou o sindicato.

Ao ser consultado sobre as declarações de Power, Shoukry considerou que não se referiam ao Egito e insinuou que estavam “fora de lugar”.

“Acho que é importante que mantenhamos nossa concentração, que enviemos uma mensagem clara e que não confundamos temas relacionados com a luta contra o terrorismo com outros assuntos”, afirmou, garantindo que seu país “respeita a liberdade de expressão e de imprensa”.

Fonte: Bol.com.br

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *