Últimas

Itaú Unibanco lucra R$ 5,2 bi no 1º tri; inadimplência e provisões disparam

SÃO PAULO, 3 Mai (Reuters) – Um salto nas provisões para perdas com inadimplência e receitas pressionadas devido à retração na carteira de crédito levaram o Itaú Unibanco a queda no lucro do primeiro trimestre.

O maior banco privado brasileiro anunciou nesta terça-feira (3) que seu lucro líquido do período somou R$ 5,184 bilhões, queda ante os R$ 5,733 bilhões em igual período de 2015, o menor desde o segundo trimestre de 2014.

Na base recorrente, o lucro somou R$ 5,235 bilhões no período, queda de 9,9% sobre um ano antes. A previsão média de analistas consultados pela agência de notícias Reuters para esta linha era de R$ 5,195 bilhões.

Numa mão, o índice de inadimplência acima de 90 dias atingiu 3,9%, ante 3% em igual etapa de 2015 e o pico desde setembro de 2013.

Com a alta do desemprego e dos pedidos de recuperação judicial de empresas numa economia em forte recessão, o banco fez provisões para perdas com calotes de R$ 6,4 bilhões, alta de 38,1% na base sequencial e de 43,7% sobre um ano antes. O número já deduz recuperação de crédito.

Em outra frente, o estoque de financiamentos do Itaú Unibanco, incluindo avais e fianças, caiu 4,8% contra o primeiro trimestre do ano passado, a R$ 517,484 bilhões. Sobre dezembro, a queda foi ainda maior, de 5,6%.

A contração foi liderada pelos empréstimos para compra de veículos (-31,2%), para grandes empresas (-9,8%) e das pequenas e médias (-9,9%), todos na comparação ano a ano.

Um efeito desse movimento foi o recuo na margem financeira, que somou R$ 16,6 bilhões no trimestre, montante R$ 207 milhões menor do que no trimestre passado.

As receitas com tarifas e serviços, de R$ 7,17 bilhões, avançaram 4,4% na comparação com o primeiro trimestre do ano anterior, número bem abaixo da variação da inflação no período, de cerca de 10%.

Por outro lado, as despesas não decorrentes de juros, que incluem pagamento de salários, somaram R$ 10,2 bilhões de janeiro a março, recuo sequencial de 8% e aumento de 3,4% sobre um ano antes, também abaixo da inflação.

Mas isso foi insuficiente para impedir uma baixa de 4,5 pontos no retorno sobre o patrimônio líquido anualizado, de 19,7% no trimestre. Em termos recorrentes, a queda foi de 4,6% do índice, que mede como um banco remunera o capital de seus acionistas.

(Edição de Priscila Jordão)

Fonte: Bol.com.br

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *