Últimas

Lava-Jato, Collor e Ditadura: Política é a bola da vez do cinema nacional

  • Montagem/UOL

    O guerrilheiro Carlos Marighella, o juiz Sergio Moro, o ex-presidente Fernando Collor e os secundaristas de 1964 vão ganhar às telas no ano que vem

    O guerrilheiro Carlos Marighella, o juiz Sergio Moro, o ex-presidente Fernando Collor e os secundaristas de 1964 vão ganhar às telas no ano que vem

A crise política vai afetar os próximos lançamentos nacionais no cinema, mas não no bolso dos produtores. Após a onda do “favela movie” e das comédias, a política vai ditar as grandes apostas para 2017.

A própria Operação Lava-Jato, que ainda segue em curso, deve ser a primeira a chegar às telas, antes mesmo da estreia da série de José Padilha sobre o tema para a Netflix. “Polícia Federal – A Lei É Para Todos” , de Marcelo Antunez, terá elenco global e informações exclusivas da própria PF, que também vai ceder o helicópteros e suas dependências em Curitiba para a as filmagens.

Existe até a possibilidade da saga se tornar uma trilogia. “Estamos vendo quando vamos finalizar no roteiro, porque a investigação não para”, explicou o produtor Tomislav Blazic ao UOL. “Com tanto conteúdo, queremos também transformá-la em série na TV aberta”.

Mas é no passado que o cinema vai discutir o presente, seja na história do inimigo número 1 da Ditadura Militar ou na relação do ex-presidente Fernando Collor com a imprensa.

Orlando Brito

Fernando Collor de Mello, em 1992

O produtor Rodrigo Teixeira, da RT Features, colocará Collor na tela com a adaptação de “Notícias do Planalto”, livro-reportagem do jornalista Mario Sergio Conti.

“É um tema repleto de possibilidades. Há quatro anos atrás, eu jamais compraria os direitos de ‘Notícias do Planalto’. Me interessei porque eu acho que o momento atual permite fazer um filme bom com esse material”, observa.

Enquanto isso, Wagner Moura prepara sua estreia por trás das câmeras no ano que vem. Entocado na Colômbia, onde grava a segunda temporada de “Narcos”, o ator deve voltar ao Brasil até agosto para se dedicar integralmente à pré-produção de “Marighella – O Guerrilheiro que Incendiou o Mundo”, adaptação do livro do jornalista e blogueiro do UOL, Mario Magalhães.

Inicialmente, Wagner interpretaria o político e guerrilheiro baiano, fundador do maior grupo armado de oposição à ditadura militar –a Ação Libertadora Nacional–, mas desistiu para focar integralmente as energias na direção.

Com produção do próprio ator com a O2 Filmes, a ideia é que a saga de Marighella seja uma obra de ação. As filmagens começam no 1° semestre do ano que vem, quando o circuito deve receber o thriller político “3.000 Dias no Bunker”, sobre outro momento crucial da história do Brasil: a criação do Plano Real.

Embora tenha comprado os direitos do livro de Guilherme Fiúza em 2013, o produtor Ricardo Fadel Rihan diz que sua intenção é “engajar” os jovens no tema. A expectativa é alta. “Hoje o brasileiro tem se interessado mais por política do que em futebol”, observou.

Divulgação

Carlos Marighella ganhará cinebiografia com direção de Wagner Moura

Mario Magalhães, que após Marighella se dedica ao livro de mais um personagem controverso da política brasileira, o jornalista e político Carlos Lacerda, observa que o cinema político pode ser tão atraente quanto qualquer outro gênero.

“Seja a trajetória de um revolucionário como Carlos Marighella, seja a criação do Plano Real, há de contá-la com encanto, hipnotizando, tirando o fôlego, comovendo, revoltando, emocionando. Se ainda contribuir para pensar, melhor ainda”, defende. “Quanto mais conflagrado um tempo histórico, mais os cidadãos querem conhecer o passado. Para se reconhecer nele ou não.”

O cinema brasileiro soma clássicos sobre o tema. Seja na alegoria de “Terra em Transe”, marco do cinema novo, dirigido por Glauber Rocha, ou nos recortes mais intimistas do Estado Novo de Getúlio Vargas (“O Caso dos Irmãos Naves”, de Luís Sérgio Person, e “Memórias do Cárcere”, de Nelson Pereira do Santos) e da Ditadura Militar de 1964 (“Lamarca” e “Zuzu Angel”, de Sergio Rezende, “O que É Isso, Companheiro?”, de Bruno Barreto, e “Nunca Fomos Tão Felizes”, de Murillo Salles).

A diretora paulista Vera Egito, que estreia seu primeiro longa, “Amores Urbanos”, neste mês, quer revisitar o tema de uma maneira diferente. “Os militantes são sempre retratados com atores de 30 anos, mas quando você vai pesquisar, as pessoas na verdade eram muito mais jovens, entre  17 e 18 anos. A própria Dilma [Rousseff] foi presa aos 19 anos, uma menina”, lembra.

Gil Passarelli/Folhapress

Movimento estudantil: confronto entre estudantes universitários da U.S.P e da Universidade Mackenzie na rua Maria Antônia [região central de São Paulo]

De olho nas ocupações de escolas públicas pelo País, ela enxerga um paralelo com o conflito ideológico de 1964, quando estudantes da USP e do Mackenzie, em São Paulo, se enfrentaram na rua Maria Antonia, que separava as duas universidades. “Quero convidar os estudantes que estão nas ocupações para participar do filme”, avisa. As filmagens começam no fim do ano.

Presidenciáveis em baixa

A dica já havia sido dada com “Lula – O Filho do Brasil”: presidentes e candidatos à presidência não caíram no gosto do público de cinema. Esperava-se que a cinebiografia do ex-presidente, lançado em 2009, ultrapassasse a marca de 10 milhões de espectadores. Mas mal chegou a 1 milhão.

Em 2011, foi noticiado que a chegada da presidente Dilma Rousseff à presidência também ganharia um longa-metragem. O produtor Antônio de Assis comprou os direitos de “A Primeira Presidenta”, do jornalista Helder Caldeira, mas, com o tempo, o projeto andou para trás –assim como a popularidade da governante e a empolgação do autor em relação à própria obra.

“Boa parte do que eu chamo de ‘falta de compreensão’ do que era o livro, especialmente por minhas opiniões críticas sobre a presidente Dilma Rousseff já em 2011, levaram ao fracasso retumbante da obra”, revelou Caldeira ao UOL.

A cineasta Sandra Werneck, porém, mantém seu projeto de levar a história de Marina Silva, virtual candidata à presidência em 2018, aos cinemas. Ela guarda uma valiosa pesquisa com a família de Marina e já tem uma atriz para o papel principal: Lucy Ramos (a Malena da novela “Liberdade, Liberdade). Mas pondera: ainda não é o melhor momento para o projeto.

“Quero que as coisas se acalmem, é um momento conflituoso, não sabemos o que vai acontecer com o país. A própria Marina, no momento, está mais reclusa”, disse.

Envolver um possível presidenciável no projeto também tem afastado investidores. “Já está difícil captar o ar, imagina a verba”.

Fonte: Bol.com.br

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *