Últimas

Mais de 200 mil pessoas receberam vacina contra gripe no Recife

Foram notificados 4.796 casos de Síndrome Gripal (SG), sendo 23 casos confirmados para Influenza A H1N1.
Foto: Roberto Ramos/DP.
Foram notificados 4.796 casos de Síndrome Gripal (SG), sendo 23 casos confirmados para Influenza A H1N1.
Foto: Roberto Ramos/DP.

Cerca de 50% do grupo prioritário que deve receber vacina contra influenza foram imunizadas no Recife. Ao todo foram 203,8 mil pessoas até o último sábado, quando foi realizado o Dia D da 18ª Campanha Nacional de Vacinação Contra Influenza. A vacinação segue até o dia 20 de maio. São mais de 160 unidades de saúde espalhadas pela cidade atendendo das 8h às 17h.

O objetivo da Secretaria de Saúde é imunizar pelo menos 80% do público-alvo, formado por 365.4 mil pessoas. O público que pode receber a vacina são crianças de seis meses a menores de cinco anos, gestantes, puérperas com até 45 dias após o parto, trabalhadores de saúde, pessoas com mais de 60 anos, jovens de 12 a 21 anos sob medidas socioeducativas, população privada de liberdade e funcionários do sistema prisional e pessoas portadoras de doenças crônicas e outras condições clínicas especiais. As pessoas portadoras de diabetes, hipertensão, cardiopatias, entre outras doenças crônicas devem levar documentação que comprove a necessidade, podendo ser uma receita médica.

Esclarecimento | Dados da Secretaria de Saúde do Recife
Influenza – É uma infecção viral aguda que afeta o sistema respiratório. É de elevada transmissibilidade e distribuição global, com tendência a se disseminar facilmente em epidemias sazonais. A transmissão ocorre por meio de secreções das vias respiratórias da pessoa contaminada ao falar, tossir, espirrar ou pelas mãos, que após contato com superfícies recém-condicionadas por secreções respiratórias pode levar o agente infeccioso direto a boca, olhos e nariz.

Histórico – Nos últimos três anos, a cobertura durante a campanha de vacinação alcançou a meta. Em 2013, 87,12% do público-alvo foi vacinado; em 2014, a cobertura foi de 118,71; no ano passado, 81,96% do grupo prioritário receberam a vacina.

Situação epidemiológica da Influenza no Recife

Notificados 4.796 casos de Síndrome Gripal (SG), sendo 23 casos confirmados para Influenza A H1N1, e 104 casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG), sendo 12 casos confirmados para Influenza A H1N1 e 3 para outros vírus respiratórios. Considerando a soma dos casos positivos de SG e SRAG, o município conta com 34 casos positivos para Influenza A H1N1, com maior concentração na faixa etária de 1 – 9 anos (32,4%) e o bairro de Boa Viagem com maior número de casos confirmados (11%). Com relação ao mesmo período do ano passado, houve uma redução de 9% nas ocorrências de SG e 11% para SRAG. Foram registrados 9 óbitos suspeitos para SRAG, sendo 04 confirmados para Influenza A H1N1 (todos pela técnica de RT-PCR) com ocorrência entre adultos. Em relação ao mesmo período do ano passado, foram registrados 6 óbitos, todos descartados para Influenza pela técnica de imunofluorescência – única disponível naquele ano.

 · Lavar as mãos com água e sabão frequentemente (principalmente antes de consumir algum alimento, tocar os olhos, nariz ou boca e após tossir, espirrar e/ou usar o banheiro);

 · Ao tossir ou espirrar, cobrir o nariz e a boca com um lenço descartável e após o uso descartá-los em lixeiras;

 · Na ausência do lenço, usar o ombro ou antebraço interno como barreira ao tossir ou espirrar;

 · Não compartilhar alimentos, copos, garrafas, toalhas e objetos de uso pessoal;

 · Manter os ambientes ventilados, com portas e janelas abertas, para favorecer a circulação de ar;

 · Pessoas com gripe/resfriado devem evitar ambientes fechados e aglomerados, assim como contato direto com outras pessoas (abraço, beijo, apertos de mão etc.);

 · Evitar sair de casa durante o período de transmissão da doença. Em adultos, este período dura, em média, até cinco dias após o início dos sintomas, e em crianças pode durar, em média, 10 dias;

 · Não usar medicamentos sem orientação médica. A automedicação pode ser prejudicial à saúde;

 · Adotar hábitos saudáveis, como alimentação balanceada e ingestão de líquidos.

Fonte: Diário de Pernambuco
Matéria originalmente publicada pelo site Diário de Pernambuco

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *