Últimas

Mourinho precisa se reinventar no Manchester United e fazer o que Guardiola fez

Português tem usado o mesmo 4-2-3-1 por seis anos e precisa se modernizar se quiser ter sucesso no Old Trafford

“Durante o primeiro encontro do time com José Mourinho  no Real Madrid, ele não falou muito sobre táticas. Em termos táticos, você só tem que olhar como ele eliminou o Barcelona na Liga dos Campeões de 2010, pela Inter de Milão, jogando na defensiva, com um futebol de contra-ataque. Apesar de todos jogadores talentosos que ele tem à disposição, os anos recentementes mostraram que ele provavelmente se tornou desatualizado taticamente”.

Esse comentário é de um jogador treinado por Mourinho, que preferiu se manter anônimo, pois ainda está em atividade. E ele não está sozinho nessa crítica ao novo técnico do Manchester United.

Foram criadas muitas teorias para explicar o fracasso mais recente de Mourinho no Chelsea, em que ele foi demitido antes do time terminar a temporada no 10º lugar. Falou-se em muitos fatores extra-campo, mas existe o argumento de que ele não evoluiu seu senso estratégico.

Veja números do Chelsea no Campeonato Inglês 2015/2016:

Durante três anos no Real Madrid e na sua segunda passagem pelo Chelsea, Mourinho usou seu esquema favorito, o 4-2-3-1. Mas é uma formação que está fora de uso na elite do futebol europeu. Barcelona, Bayern de Munique, Paris Saint-Germain, Juventus e Atlético de Madrid não usam isso. Carlo Ancelotti o abandonou após suceder Mourinho no Real Madrid.

O grande problema é que o 4-2-3-1 de Mourinho é rigído demais. Cada jogador da frente, Eden Hazard, Willian e Fabregas, tinha um setor para atuar, no qual eles ficavam durante todo o jogo. Com esses pontos de referência, o Chelsea se tornou pragmático e previsível. Os principais times de hoje precisam ser mais flexíveis e expansivos. Eles não podem usar a mesma formação e ocupar as mesmas posições em todos jogos. Se fizerem isso, logo serão descobertos, expecialmente com tanta tecnologia e informação disponíveis.

Novo técnico do rival Manchester City, Pep Guardiola é certamente o técnico mais avançado nesse sentido. Na última temporada pelo Bayern de Munique, ele alcançou a marca de 99 jogos sem repetir a mesma escalação. Para o espanhol, a formação tática não é importante. É tudo uma questão de interpretar o espaço do jogo dependendo do cenário de onde estão a bola e os adversários. O importante é criar linhas de passe, então era possível ver o Bayern jogar no 3-4-3 ou no 4-3-3 e, dez segundos depois, atacar no 2-3-5. “Eu não sei quantos sistemas nós temos. Nosso jogo é muito flexível em qualquer caso. Uma formação para nós é apenas como você nos descreve”, afirmou Philipp Lahm recentemente.


Guardiola mudou o estilo de jogo de Lahm (Foto: Getty Images)

Guardiola é um proponente do futebol total. Ele quer, por exemplo, que defensores participem do jogo e ataquem, como faziam David Alaba, Philipp Lahm e Jerome Boateng. Ele vai querer que os defensores do City façam isso. E se não fizerem, serão trocados. 

Ele também não quer que as referências dos ataques sejam paradas e imóveis, como Diego Costa era no Chelsea. Didier Drogba também já foi isso para Mourinho. No City, Guardiola vai contar com Sergio Aguero, Raheem Sterling e David Silva para movimentação ofensiva. Outros times têm atletas de características semelhantes, como o Atlético de Madrid, com Griezmann, e a Juventus, com Paulo Dybala.


Mourinho terá um grande desafio em Manchester (Foto: Divulgação/Goal)

Mourinho também precisa mudar. Como disse o ex-técnico do Chile, Jorge Sampaoli, “Guardiola está constantemente evoluindo taticamente”. O lendário Alex Ferguson foi bem sucedido no Manchester United porque estava sempre evoluindo ao longo do tempo. Ele venceu a Liga dos Campeões de 1999 com um time no 4-4-2, depois mudou para 4-4-1-1, conquistou outro título europeu com o 4-3-3, antes de voltar ao 4-4-2 e conquistar seu 13º título do Campeonato Inglês em 2013.

A interpretação de Mourinho para o 4-2-3-1 é simplista e desatualizada. Não é coincidência que nos últimos tempos seu números de títulos caiu. Aos 53 anos, ele já é um dos grandes treinadores que esse esporte teve. Mas se Mourinho quiser ser bem sucedido em Old Trafford e fazer o Manchester United ser um dos melhores do mundo novamente, ele precisa mostrar habilidade para se reinventar taticamente – assim como fez seu adversário do lado azul de Manchester.

 


Fonte: Goal.com

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *