Últimas

Orçamento da Transposição é mantido e governo promete entregar projeto neste ano

Estação de Bombeamento do Eixo Leste, em Floresta, foi inaugurada em dezembro de 2015. Foto: Ricardo Fernandes/DP
Estação de Bombeamento do Eixo Leste, em Floresta, foi inaugurada em dezembro de 2015. Foto: Ricardo Fernandes/DP

No dia em que a equipe econômica do governo federal interino apresentou a meta fiscal com um rombo de R$ 170,5 bilhões para 2016, o ministério da integração nacional assegurou o investimento de R$ 1 bilhão na obra da Transposição do Rio São Francisco para entregar 100% da obra até dezembro deste ano e ter águas nos canais no primeiro trimestre de 2017. Segundo o ministro Helder Barbalho, o cronograma de liberação de recursos está mantido porque a inauguração do Projeto São Francisco é de extrema importância para o semiárido e, portanto, uma prioridade da pasta. O novo ministro, recém-empossado, assume a obra restando 15% para conclusão total da etapa civil e o “apelo” de seis anos de atraso na oferta de água para 12 milhões de nordestinos.

“A Integração do rio São Francisco é a obra mais importante da história do Brasil no setor hídrico. O Ministério compreende a necessidade de concluí-la o mais rápido possível para assegurar o abastecimento de água não só para consumo, mas para o setor produtivo também, o que irá gerar emprego e renda para a população nordestina. Neste sentido, é de extrema importância empenhar todos os esforços para garantir a previsão orçamentária e financeira que possibilite a conclusão o quanto antes”, informou o ministro. “Se tudo ocorrer como planejado, teremos água correndo pelos canais da transposição no primeiro trimestre de 2017. A inauguração desta obra é prioridade total do Ministério da Integração”, garantiu.

A Transposição é um obra federal atualmente orçada em R$ 8,2 bilhões e integra a Política Nacional de Recursos Hídricos. Com 477 quilômetros de extensão em dois eixos (Leste e Norte), o empreendimento vai garantir a segurança hídrica de 12 milhões de pessoas em 390 municípios nos estados de Pernambuco, Ceará, Rio Grande do Norte e Paraíba, onde a estiagem é frequente. De acordo com o ministério da integração nacional, “faltam menos de 14% para conclusão do empreendimento. Em abril, o Projeto de Integração do Rio São Francisco alcançou 86,3% de avanço físico. São mais de 10 mil profissionais empenhados para concluir as estruturas e 3.909 equipamentos em operação.”

Apesar de avanço na construção, a água só ocupa cerca de 79,9 quilômetros do caminho longo de 477 quilômetros a serem validados. Algumas etapas precisam ser refeitas ou recuperadas porque depreciaram pela falta de continuidade construtiva. Das nove estações de bombeamento de água, megaestruturas para que a água siga o fluxo nos canais, três estão prontas, uma está em teste e duas em estado avançado de montagem. Outro ponto é que a água não tem autorização para abastecimento humano e, portanto, não atende a ninguém.

Sobre a possibilidade de cortes previstos pela equipe econômica em pastas fora do tripé prioritário da nova gestão (educação, saúde e educação), a pasta informou por meio de assessoria que o Ministério da Integração Nacional é um órgão estratégico para a sociedade brasileira. “A conclusão do Projeto de Integração do Rio São Francisco (PISF), os investimentos de convívio com a seca e ações emergenciais após desastre natural são prioridades do Governo Federal.”

As obras do Projeto de Integração do Rio São Francisco passam pelos seguintes municípios no Eixo Norte: Cabrobó, Salgueiro, Terranova e Verdejante (PE); Penaforte, Jati, Brejo Santo, Mauriti e Barro (CE); em São José de Piranhas, Monte Horebe e Cajazeiras (PB). Já no Eixo Leste, o empreendimento atravessa os municípios pernambucanos de Floresta, Custódia, Betânia e Sertânia; e em Monteiro, na Paraíba.

Fonte: Diário de Pernambuco
Matéria originalmente publicada pelo site Diário de Pernambuco

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *