PM identifica envolvidos em confusão no clássico e não vê demora no tempo de reação

Diante da grande repercussão da confusão envolvendo torcedores de CSA e CRB após a final do estadual, a Polícia Militar, através do Comando de Policiamento da Capital se pronunciou sobre o acontecido. Segundo o CPC, o tempo de reação para coibir a briga foi razoável e que quatro envolvidos já foram identificados.

De acordo com o Coronel Wilson, Comandante do CPC, o policiamento foi reforçado para a partida de domingo. “Colocamos um efetivo até maior, devido a importância da partida. O trabalho da tropa em jogos de futebol, é garantir a segurança de todos, principalmente dos protagonistas do espetáculo e dos árbitros, mas infelizmente aconteceram situações que consideramos atípicas”, disse.

Ao todo, foram cinco clássicos realizados este ano e a média de PM’s em serviço girava entre 300 e 350. A Secretaria de Segurança Pública (SSP) informou que haviam mais de 300 policiais em ação durante a partida.

Foto: MinutoEsportes

Foto: MinutoEsportes

Questionado se houve demora para separar os confrontos que deixaram dois torcedores gravemente feridos, o Coronel deixou claro que o tempo de reação foi normal. “Houve um exagero dos jogadores do CRB na comemoração, provocando os torcedores rivais e que instigou a sua torcida. Quando aconteceu a invasão, precisamos nos dividir entre proteger atletas, o trio de arbitragem, profissionais que estavam em campo e tentar impedir novas invasões. O tempo de reação foi cronometrado em 33 segundos, o que consideramos razoável. Lógico, que para um torcedor que está apanhando é muito, mas fizemos num tempo aceitável e conseguimos esvaziar o campo”, explicou.

Foto: MinutoEsportes

Foto: MinutoEsportes

O Comandante do CPC ainda apontou que quatro envolvidos nos confrontos já foram identificados e diligências já estão sendo feitas para que sejam presos e apresentados nos próximos dias.

A reunião extraordinária do Conselho Estadual de Segurança (Conseg) para apurar se houve negligência da PM também foi comentada. “Estamos aguardando qualquer tipo de chamado ou notificação, mas já estamos tomando as devidas providências para responder o questionamento e também dar respostas com a prisão dos envolvidos”, concluiu.

    Deixe seu comentário

    Comentários via Facebook

    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *