Últimas

Presidencialismo brasileiro não contempla o remédio do recall, diz Requião

Antes de declarar voto contra a “besteira, a monumental asneira do impeachment da presidente da República neste momento”, o senador Roberto Requião (PMDB-PR) afirmou, no pronunciamento na sessão da Comissão Especial de Impeachment que avalia o afastamento de Dilma Rousseff (PT), que o “presidencialismo brasileiro não contempla recall ou referendo revogatório”. Para o parlamentar, dissidência do PMDB, não há crime de responsabilidade que justifique o impeachment.

Saiba mais…



Após críticas do diretor da PF, Dilma recua e abre os cofres


Ministros de Dilma terão que entrar em quarentena, mas continuarão com salários


Agripino diz que Temer assumirá governo de emergência e precisará de atitudes


Eduardo Braga se ausenta de votação no Senado para cuidar da saúde


Da janela do Planalto, Dilma observa Esplanada vazia por interdição


Padre pró-impeachment entra no Senado e distribui presentes


Em discurso, Aécio afirma que já havia alertado Dilma sobre as pedaladas


Eduardo Amorim diz que Dilma planejou milimetricamente seus crimes de responsabilidade


Após ser fotografada na janela do Palácio do Planalto, Dilma vai para Alvorada


Aécio reforça apoio a eventual governo Temer e diz que reformas são prioridades


Serra diz que não acredita que julgamento do impeachment de Dilma vá demorar 6 meses


Toffoli autoriza inquérito para investigar ligação de Cunha com Furnas


Militantes contra e a favor do impeachment voltam a entrar em confronto no Rio


Dilma falará nesta quinta-feira às 10 horas no salão leste do Planalto


Barroso rejeita ação que tentava impedir nomeação de ministros por Temer


Presidente do PPS apresenta projeto que declara a presidência da Câmara vaga


“Condutas ilícitas do relatório ilustram desordem no país”, diz Wilder Morais


Provável governo de Michel Temer tem “80 pontos emergenciais”, diz Jucá


Confusão na Esplanada tem três manifestantes detidos e um ferido


Saiba quem são os novos deputados que podem integrar a bancada pernambucana em Brasília


Internautas promovem ‘vomitaço’ contra Temer e PMDB no Facebook


Marcela Temer e filho chegam ao Palácio do Jaburu


PT e PCdoB lançam movimento ‘Temer, o ilegítimo’ e prometem oposição


PP deu até domingo para Maranhão dar resposta sobre renúncia, diz Ciro Nogueira


Votação do impeachment atrasa e só deve começar por volta das 2h


Em despedida, Mercadante diz a servidores do MEC que é pós-graduado em oposição


“Vamos votar a proposta de meta fiscal encaminhada por Dilma”, diz Jucá


Sou contra “acelerar” votação do afastamento de Dilma, diz Eunício Oliveira


Durante coletiva, o que parece ser o dente do senador Renan Calheiros cai; assista


“Não pago amante com dinheiro de empreiteira”, diz Delcídio


Jucá diz que Temer não vai mexer no Bolsa Família


Jucá diz que posse de ministros de Michel Temer deve ser nesta quinta-feira à tarde


Em entrevista à CNN, FHC diz que existem argumentos para afastamento de Dilma


Abimaq diz que eventual governo Temer precisa apresentar resultados rapidamente


Polícia prende hacker que extorquiu Marcela Temer


Assessores de Dilma veem clima de fim de festa e alguns já procuram emprego

Requião, no entanto, admitiu que todos concordam que o governo tem dificuldade de sobreviver por falta de apoio, mas há o questionamento se o impeachment é a saída para a crise política e econômica. “Meu amigo Michel Temer assume suportado por série de ideias da ‘Ponte para o Futuro’ e reveladas em entrevistas por auxiliares que são as da utopia neoliberal com corte de gastos, a mesma proposta que fracassou em outros países”.

O senador afirmou ainda que foi cabo eleitoral de Dilma e se sentia frustrado porque compromissos de campanha não foram cumpridos. “(Dilma) cumpriu o arrocho fiscal do PSDB e agora todo o grupo de oposição é contra. O remédio do PSDB é o remédio da Dilma elevado à décima potencia”, concluiu.

Crivella
O senador Marcelo Crivella (PRB-RJ) começou seu discurso informando que sentia muito pesar em anunciar que votaria a favor da abertura do processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff. O senador, aliado do governo, manteve posição contra o impeachment até que o seu partido fechasse questão a favor do afastamento.

“Não restam dúvidas de que a presidente é honesta, mas também não restam dúvidas de que há indícios de crime de responsabilidade em sua gestão”, argumentou o senador. Ele esclareceu, entretanto, que votava pela abertura do processo, sem dar garantias de que votaria também pelo impeachment da presidente na fase final do processo.

“O voto que profiro agora não é de condenação da presidente, mas de abertura do processo que passa a ser conduzido, como um julgamento, pelo presidente do STF. Quero que seja garantido todo o direito ao contraditório”, alegou.

Bispo licenciado, o senador Crivella fechou sua fala fazendo citações bíblicas. Ele diferenciou o “Deus justo”, bondoso, do “justiceiro”, que age com ódio e deseja o sofrimento. “Peço a Deus que sejamos justos e não justiceiros”, encerrou Crivella.

Fonte: Diário de Pernambuco
Matéria originalmente publicada pelo site Diário de Pernambuco

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *