Últimas

Realidade virtual pode ajudar a tratar paranoia

Pesquisadores da Universidade de Oxford estão usando óculos de realidade virtual para tratar pacientes que sofrem de paranoia grave. A equipe selecionou 30 pacientes que apresentam uma forma intensa da doença para serem tratados. “Os pacientes já tinham tentado tratamentos padrão, como medicação, mas ainda sofriam fortes delírios”, explica o professor de psicologia clínica e um dos integrantes do projeto, Daniel Freeman.

Os testes foram realizados em pacientes que pensam que estão sendo observados por pessoas o tempo todo. Para encontrar maneiras de aliviar ou reduzir este tipo de comportamento, a equipe desenvolveu uma experiência de realidade virtual que os expunha a situações que poderiam causar ansiedade e paranoia. “Ambientes sociais virtuais podem agir como os primeiros passos para que os pacientes enfrentem as situações temidas antes de partir para o mundo real”, explica a equipe.

[embedded content]

30 pacientes foram convidados a participar de um teste comportamental 5 minutos em que eles enfrentavam um ambiente social da vida real do qual eles tinham medo. De acordo com os pesquisadores, metade dos pacientes utilizaram mecanismos de enfrentamento regulares, como evitar o contato visual em todas as situações. A outra metade, no entanto, se aproximou das pessoas virtuais e até conseguiu fitá-los. Ao final das sessões de meia hora, 50% do último grupo se curou. Mesmo no grupo de pessoas que evitou contato, o índice de cura foi de 20%.

“A paranoia, muitas vezes, leva ao isolamento, infelicidade e profunda aflição. Mas os resultados imediatos excepcionalmente positivos para os pacientes neste estudo mostram uma chance de tratamento. Em sessões de apenas 30 minutos, quem utilizou as técnicas psicológicas certas percebeu maiores reduções da paranoia”, conta Freeman. 

Nas próximas etapas do estudo, os pesquisadores devem verificar a eficácia do tratamento a longo prazo.

Via Wired

Fonte: Olhar Digital
Matéria originalmente postada no site olhardigital.uol.com.br

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *