Rei do conforto, Sentra seria páreo para Corolla se Nissan deixasse

O Nissan Sentra entrou na linha 2017 bastante renovado. Visual mais moderno e novas tecnologias foram incrementadas a fim de deixá-lo mais atraente frente às novas gerações de Honda Civic e Chevrolet Cruze, prestes a serem lançadas, e especialmente ao líder Toyota Corolla.

UOL Carros já explicou: as vendas do sedã médio japonês estão represadas pela cota de importação do México, onde ele é fabricado. Segundo a marca, não há possibilidade de vender muito mais do que 10 mil unidades em 2016 — o modelo tem emplacado média de 850 exemplares/mês. 

Portanto, o sedã reestilizado já chega fadado a ser coadjuvante.

O que é uma pena: dentro da média em termos de equipamentos, com preço razoável e cada vez mais atraente do ponto de vista visual — a evolução para o “mini-Cadillac” da geração passada é gritante –, o sedã japonês seria candidato forte a incomodar os líderes Corolla e Civic.

Após teste de quase 300 quilômetros com a versão SL, de R$ 95.990, por rodovias e pequeno trecho urbano entre Guarulhos e Guararema (SP), a constatação é de que, apesar de alguns problemas, o três-volumes teria condições de ir além. 

O que ele tem (e não tem)

O Sentra de topo conta, de série, com todos os equipamentos disponíveis na gama. Os destaques vão para: seis airbags; controle eletrônico de estabilidade e tração; alerta anticolisão frontal; sensores de ponto cego e estacionamento traseiro com detector de tráfego cruzado; faróis com acendimento automático, projetor e guia de LED; e rodas em liga leve aro 17 diamantadas.

Murilo Góes/UOL

Preto piano invadiu faixa central do painel, mas não houve alteração na disposição de elementos como saídas de ar

Trata-se de um bom pacote, sem dúvidas, embora com alguns “buracos”: se o modelo já possui sensor dianteiro para o alerta anticolisão, não custaria incluir também o piloto automático adaptativo e a frenagem automática emergencial, presentes em rivais como Volkswagen Jetta e Ford Focus — e muito provavelmente também nos novos Civic e Cruze.

Mesmo trem-de-força

Mecanicamente quase não houve alterações. O motor 2.0 flex, de 140 cv de potência e 20 kgfm de torque (com gasolina ou etanol), apresenta ótimo vigor para rodar na estrada, e também boas arrancadas e retomadas na cidade.

Mas consumo não é seu ponto forte: média de 10 km/l na estrada com gasolina não empolga.

A transmissão CVT (continuamente variável) tampouco foi recalibrada, e segue deixando um pouco a desejar em relação à do Corolla. Sem emular marchas, seu funcionamento é correto em velocidade de cruzeiro a 120 km/h (cerca de 2,5 mil giros), mas demora a encontrar a relação certa quando se muda abruptamente a pressão sobre o acelerador.

Somente a direção elétrica recebeu ajustes, a fim de manter a leveza em manobras, ficando mais firme a velocidades maiores. Não deu tanto resultado: segue um pouco leve demais na estrada.

Suspensões primorosamente calibradas, apesar do uso de barra de torção na traseira, rigidez torcional acertada, ótimo espaço interno — são 2,70 metros de entre-eixos, nível igual ao do Corolla e superior aos demais rivais — e bancos bastante ergonômicos (com excelentes abas laterais) conferem excepcional conforto.

Por outro lado, nível de invasão dos ruídos externos, de motor e rolamento dos pneus decepcionam para um carro desse valor e porte, especialmente para quem viaja na parte de trás. A central multimídia de 5,8 polegadas é outra que tende a ficar defasada rapidamente: gráficos aparecem serrilhados, comandos não são intuitivos e falta opção de espelhamento de celulares. 

Murilo Góes/UOL

Motor 2.0 flex de 140 cv e 20 kgfm foi mantido sem alterações, com todas suas virtudes e defeitos: ótimo em desempenho, mediano em consumo

Passaporte brasileiro faz falta

Pesando qualidades e defeitos, concluímos que o Sentra não deixa de ser um conjunto muito interessante no segmento.

Entretanto, as já mencionadas limitações impostas pela decisão de não fabricá-lo localmente — tanto que a montadora sequer trará versões com câmbio manual da linha 2017, pelo menos por enquanto — não permitirão que essa batalha aconteça. Infelizmente.

Fonte: Bol.com.br

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *