Últimas

Rolling Stones pedem que Trump pare de usar suas músicas na campanha

Los Angeles (EUA), 4 mai (EFE).- Os Rolling Stones pediram nesta quarta-feira ao virtual candidato republicano à presidência dos Estados Unidos, Donald Trump, que pare de usar suas músicas em seus atos de campanha eleitoral, informou a revista especializada “Billboard”.

O pedido da lendária banda liderada por Mick Jagger e Keith Richards acontece um dia depois de Trump vencer com folga nas primárias de Indiana, um triunfo que motivou a desistência de seu principal rival, o senador Ted Cruz.

Nesta quarta-feira também anunciou sua retirada o último adversário que o enfrentava, o governador de Ohio, John Kasich, o que deixou o polêmico magnata como o candidato do Partido Republicano para as eleições de novembro, apesar de ainda não ter os 1.237 delegados necessários para a indicação automática (acumula 1.047 até agora).

Após saber de sua vitória em Indiana e da desistência de Cruz, Trump fez um discurso ontem em Indianápolis no qual sua entrada no palco esteve acompanhada pela canção “Start Me Up”, dos Stones.

“Os Rolling Stones nunca deram sua permissão à campanha de Trump para usar suas canções”, disse um representante da banda à “Billboard”, que acrescentou que os britânicos pediram que “detenham todo uso (das músicas) imediatamente”.

“Start Me Up” não é a única canção de “Suas Satânicas Majestades” que Trump usou ao longo de sua campanha. De acordo com a informação da revista “The New Yorker”, em seus eventos também soaram, pelo menos, “You Can’t Always Get What You Want”, “Sympathy For The Devil” e “Brown Sugar”.

Outro hit que o controvertido milionário usou em atos eleitorais é “Tiny Dancer”, de Elton John, assim como canções de musicais famosos como “Cats” e “O Fantasma da Ópera”.

Os Rolling Stones não são os primeiros artistas que mostraram sua rejeição ao fato de Trump utilizar suas canções com fins políticos já que, anteriormente, a cantora inglesa Adele, o roqueiro canadense Neil Young e ex-integrantes do grupo americano R.E.M. se manifestaram no mesmo sentido.

Fonte: Bol.com.br

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *