Últimas

"Se renuncio, enterro a prova viva de um golpe", diz Dilma

Numa agenda acelerada de lançamentos de programas nos prováveis últimos dias de governo, a presidente Dilma Rousseff voltou a defender seu mandato do que chamou de golpe de impeachment e reiterou que não vai renunciar em nenhuma hipótese. “Sempre quiseram que eu renunciasse porque sou muito incômoda, primeiro porque sou a presidente eleita, segundo porque eu não cometi nenhum crime, terceiro porque se eu renuncio eu deixo e enterro a prova viva de um golpe absolutamente sem base legal e que tem por objetivo ferir interesses e conquistas adquiridas ao longo dos últimos 13 anos. Eu tenho a disposição de resistir e resistirei até o último dia”, afirmou.

A presidente voltou a acusar o então presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ) – afastado ontem do mandato de deputado por decisão do Supremo Tribunal Federal – de fazer chantagem ao aceitar o processo de impeachment. “Ontem o Supremo disse que o senhor Eduardo Cunha era uma pessoa que usava práticas condenáveis. Uma das práticas mais condenáveis foi a chantagem explícita feita por Cunha no meu governo”, lembrou.

“Se não der três votos na Comissão de Ética da Câmara, três votos favoráveis, caso contrário, eu aceito o impeachment. Essa é uma questão tão descarada que o advogado do PSDB, ex-ministro do Fernando Henrique Cardoso, entrou com processo” criticou Dilma. “É chantagem explícita e também desvio de poder”, atacou, ao discursar , nesta sexta-feira (6/5), na cerimônia de contratação de 25 mil casas do Programa Minha Casa, Minha Vida Entidades, no Palácio do Planalto.

Primeira a falar, a ministra das Cidades, Inês Magalhães, não serão permitidos retrocessos numa eventual mudança de governo. “Esse programa não tem volta, vamos continuar lutando por um país melhor”, disse. Para a representante da União Nacional por Moradia Popular, Evaniza Rodrigues, os beneficiários do programa não devem nada aos líderes comunitários ou sequer a presidente: “Moradia não é mercadoria, é um direito social. Não vamos admitir retrocesso”, afirmou.

Criado em 2009, o programa ligado à Secretaria Nacional de Habitação do Ministério das Cidades, visa tornar a moradia acessível às famílias organizadas por meio de cooperativas habitacionais, associações e demais entidades privadas sem fins lucrativos.O programa é dirigido a famílias de renda familiar mensal bruta de até R$ 1,8 mil e estimula o cooperativismo e a participação da população como protagonista na solução dos seus problemas habitacionais.

Na noite de quinta-feira, em entrevista transmitida pela emissora latinoamericana TeleSUR, a presidenta voltou a dizer que não cometeu nenhum crime de responsabilidade e que, portanto, o pedido de impeachment não tem base jurídica.“Não estão me acusando de um crime de corrupção porque eu não o cometi. Não tenho contas bancárias no estrangeiro, não tenho processos por tirar vantagens de qualquer forma do governo. Se trata de uma discussão sobre contas públicas e esse tipo de questão administrativa, sem crime de responsabilidade, não é base para tirar uma presidente da República eleita. Este impeachment é um golpe de estado”, disse.

Fonte: Diário de Pernambuco
Matéria originalmente publicada pelo site Diário de Pernambuco

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *