Últimas

Secretário da Segurança de SP diz que ato de taxistas é 'criminoso'

  • Nelson Antoine/FramePhoto/Estadão Conteúdo

    Motoristas de táxi fecham o corredor Norte-Sul, próximo ao túnel Anhangabaú e à Prefeitura de São Paulo, na noite de terça-feira (10)

    Motoristas de táxi fecham o corredor Norte-Sul, próximo ao túnel Anhangabaú e à Prefeitura de São Paulo, na noite de terça-feira (10)

O secretário estadual da Segurança Pública de São Paulo, Alexandre de Moraes, chamou de “criminosos” os atos realizados por taxistas entre esta terça-feira (10), e quarta-feira (11), após o aplicativo de caronas Uber ter sido regulamentado pelo prefeito da capital paulista, Fernando Haddad (PT).

“Não é admissível e espero que toda a categoria repudie isso. Não é possível a conduta que os membros do sindicato (dos taxistas) estão tomando, atitude criminosa”, disse Moraes, cotado para assumir cargo no governo federal caso a admissibilidade do impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT) seja aprovada no Senado.

Desde o anúncio da decisão de Haddad, o sindicato tem paralisado vias da capital em repúdio à medida. Na terça-feira, o presidente do Sindicato dos Motoristas e Trabalhadores das Empresas de Táxi de São Paulo (Simtetaxi), Antônio Matias, o Ceará, pediu, pelo WhatsApp, pneus para incendiar na frente da Prefeitura.

Na quarta-feira, a paralisação seguiu e quatro foram detidos em flagrante na Avenida 23 de Maio, depois de atear fogo em pneus bloqueando a passagem na altura do Túnel João Paulo II. Os suspeitos, diretores do Sindicato dos Motoristas de Táxi de São Paulo, foram indiciados pelo incêndio.

“Flagrante delito por associação criminosa e incêndio. O sindicato deve parar com isso ou serão tratados como hoje, como criminosos. A grande maioria dos taxistas, 99%, não pode concordar com isso”, disse o secretário. “Como alguém vai continuar confiando nos taxistas? Como alguém vai deixar seus filhos irem com os taxistas se essa minoria vem fazer baderna e criminalidade?”

Regras

O decreto de Haddad estabelece limites para o funcionamento dos aplicativos com base na quilometragem rodada. Os carros das empresas de tecnologia poderão fazer um número de viagens equivalente ao de 5 mil táxis tradicionais. E terão de pagar uma outorga, variável de acordo com a oferta e a demanda e estimada, inicialmente, em R$ 0,10 por quilômetro.

Os aplicativos deverão compartilhar as informações com o poder público, detalhando origem e destino de cada viagem, tempo do trajeto, quanto o passageiro esperou e os itens cobrados. A Prefeitura, por sua vez, promete compartilhar essas informações com a população. As empresas terão de ser credenciadas e passarão a chamar Operadoras de Tecnologia de Transporte Credenciadas (OTTCs).

Fonte: Bol.com.br

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *