Últimas

A catástrofe de Messi nos pênaltis NUNCA teria acontecido com Cristiano Ronaldo

O astro argentino surpreendeu o mundo ao desperdiçar a sua cobrança na final da Copa América… mas isso não aconteceria com o português. Descubra o motivo!

Lionel Messi ficou no “quase” mais uma vez. O camisa 10 desperdiçou o seu pênalti, o primeiro na disputa alternada na decisão da Copa América Centenário, contra o Chile, e viu a Seleção Argentina ser mais uma vez vice-campeã. Uma coisa é certa: isso nunca aconteceria com Cristiano Ronaldo.

E não é porque CR7 é melhor do que Messi nos pênaltis – ele não é. Mas, o português jamais pegaria a bola para ser o primeiro cobrador. Ele ficaria esperando ser o quinto na fila, o que geralmente costuma celebrar uma eventual vitória.



GOALVEJA TAMBÉM: GOAL
Messi: eternamente na sombra de Maradona | CR7 é “atacado” pela Montanha | Messi: tchau, Bola de Ouro


Até porque o camisa 7 é uma pessoa consumida pela sede da glória individual, ao contrário de Messi. Na última edição da Champions League, o gajo nomeou a sua última cobrança como “o gol da vitória”. C.Ronaldo é muito motivado pelo seu ego, jamais teria batido antes de todos.

(Foto: Getty Images)

O motivo não é covardia. Afinal de contas, o quinto pênalti é um pesadelo se cair nos pés errados. Mas com Messi a história é outra. Tudo bem que o camisa 10 do Barcelona tem um ego gigante em vários aspectos, mas pensa mais no futebol como um esporte coletivo do que o arquirrival. Lionel Messi sabe que será o melhor jogador de qualquer equipe que defenda, e adquiriu muita experiência na leitura do jogo durante os anos de parceria com Ronaldinho, Xavi e Iniesta.

Na verdade, dizem até que foi Messi (e não o técnico Luis Enrique) que deu a ideia de escalar Luis Suárez mais centralizado no ataque do Barcelona. Com isso, o argentino voltaria a atuar mais pela faixa lateral na direita – o mesmo lugar no qual ele já brilhava antes de Guardiola tirar o seu melhor na posição de “falso 9”.

Suárez se transformou, com a camisa do Barcelona, na principal ameaça aos goleiros adversários. Lionel Messi não se importou. Na realidade, até gostou. Afinal de contas, todos ganham. Atualmente, Messi passou a exercer mais influência em outras partes do jogo: às vezes ele está aberto pelos lados, centralizado ou enfiado no ataque. Sempre influenciando as partidas, seja com a sua habilidade ou com o seu intelecto. Ou com os dois.

O passar dos anos começa a dar as suas mostras nas atuações de Cristian Ronaldo, mas jogar mais recuado e ajudar outros a fazer gols não está nos planos do astro do Real Madrid.  E foi exatamente o que Messi passou a fazer: recuou para levar o seu time mais para o ataque… e CR7 apenas ficou mais egoísta. Hoje, ele é muito mais atacante do que já foi em outras etapas de sua carreira.

Nas cobranças de pênaltis, a vaidade de CR7 está em perfeito alinhamento ao sucesso de suas equipes: o time quer ganhar a disputa, e Cristiano Ronaldo quer marcar o último.

​(Foto: Getty Images)

Faz sentido Messi abrir a cobrança de pênaltis. Ele é um verdadeiro capitão, algo que condiz com a pessoa que leva a faixa no braço. Ele abre o caminho para outros o seguirem. Tivesse ele estufado as redes, a Seleção Argentina ficaria em uma posição muito privilegiada para acabar com o jejum de títulos que perdura há 23 anos.

​(Foto: Getty Images)

Só que a bola foi para fora, a dúvida e insegurança aumentou nas cabeças dos outros jogadores argentinos. Lucas Biglia acabou desperdiçando outra cobrança e a Seleção Chilena voltou a comemorar sobre a Albiceleste.

C.Ronaldo jamais abriria as cobranças. Deixaria outros construírem as fundações de sua glória pessoal. É inevitável, e o último exemplo disso todos nós acompanhamos na decisão da Champions League. Em 2012, a estratégia não deu certo na semifinal da Eurocopa. A Espanha levou a melhor sobre Portugal, e CR7 sequer arriscou a sua batida. Só apareceu lamentando, dizendo “injustiça”. Mas o que foi mais injusto: a Espanha avançar ou C. Ronaldo não ter conseguido comemorar com a sua tão sagrada quinta cobrança?

No último domingo (26), Messi buscou a atitude mais altruísta. Todos falaram muito sobre C. Ronaldo após a vitória sobre o Atlético de Madrid na final da Champions League, mas não foi nada comparável à decisão de Messi de abrir a cobrança. O problema é que ele falhou, e isso não aconteceria com CR7: afinal de contas ele balança as redes ou o resultado já é definido antes de o peso cair sob as suas costas.


Fonte: Goal.com

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook