Últimas

Bolsa Família terá comitê de controle contra irregularidades

Ministro Osmar Terra, ao centro, reuniu-se com representantes do Minist
Ministro Osmar Terra, ao centro, reuniu-se com representantes do Ministrio Pblico Federal e do Tribunal de Contas da Unio. Foto: Ministrio do Desenvolvimento/Divulgao
[foto]

Comando por Osmar Terra desde o início do governo interino de Michel Temer (PMDB-SP),  o Ministério do Desenvolvimento Social isentou-se das irregularidades reveladas pelo Ministério Público Federal sobre o Bolsa Família. Por meio de nota, a pasta disse não ignorar a possibilidade de fraude, mas transferiu a responsabilidade para o governo da antecessora, Dilma Rousseff, e para as prefeituras municipais, que fazem  o cadastramento das famílias.  A iniciativa aconteceu após o MPF divulgar que, dos R$ 51,9 bilhões benefícios transferidos entre 2013 e 2014 para os 26 estados e o Distrito Federal, R$ 2,5 bilhões foram supostamente pagos a servidores públicos, empresários, doadores de campanha e até pessoas mortas. Servidores, aliás, foram os mais beneficiados pelas supostas irregularidades, recebendo mais da metade do valor em suspeição. (Veja ranking dos estados abaixo e análise por região)

Segundo o MDS, depois de se reunir com o representantes do MPF, o novo ministro decidiu criar um comitê de controle “para depurar e garantir que o Bolsa Família seja destinado para quem mais precisa”, mas o prazo ainda não foi informado. Em outro texto enviado ao Diario, ainda ontem, o ministério disse que os municípios são responsáveis por atualizar os dados cadastrais e, conforme a legislação, devem adotar procedimentos que certifiquem a veracidade dos dados. “Quando necessário, as famílias convocadas têm de esclarecer a situação junto à gestão municipal, para que os dados sejam atualizados”, diz um trecho do texto.

A resposta do MDS acontece em meio ao impacto negativo no programa visto como a menina dos olhos dos governos petistas e que atualmente sofre ameaça de cortes. O MPF divulgou uma lista detalhada com dados por estado sobre o total de benefícios recebidos. Bahia, Pernambuco e Ceará aparecem no primeiro, segundo e terceiro lugares do Nordeste e de todo o Brasil. Em Pernambuco, há suspeitas de que R$ 369,2 milhões foram pagos de forma irregular, especialmente a servidores (R$ 248,7 milhões), empresários (R$ 116,9 milhões), falecidos (R$ 16,7 milhões) e doadores de campanha (R$ 6,5 milhões).

O Ministério Público informou ainda não ter dados detalhados por municípios, que fazem o cadastramento das famílias, mas adiantou que as capitais mais vulneráveis a fraudes no país foram Salvador, Brasília, João Pessoa, Manaus e Recife, justamente nesta ordem. A Prefeitura do Recife, por sua vez,  ressaltou não ser responsável pela análise dos dados fornecidos no cadastramento dos beneficiados e informou não ter sido notificada para checar supostas irregularidades. 

 

Ranking dos desvios por estado

Leia a análise por região

Saiba mais detalhes de cada estado, incluindo número de servidores, empresários e mortos que receberam o Bolsa Família


Fonte: Diário de Pernambuco

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *