Confederações aprovaram contas sem ver acordo que reduziu repasse para o COB

Em assembleias gerais realizadas neste ano, as confederaes esportivas brasileiras aprovaram as contas do Comit Organizador Rio-2016 e do COB (Comit Olmpico do Brasil), mesmo com os dois balanos apontando reduo de dezenas de milhes de reais em repasse que deveria ser destinado ao comit olmpico.

Entidades consultadas pela Folha disseram no ter tido acesso aos documentos da renegociao que gerou a diminuio de recursos. Esse dinheiro poderia ser destinado pelo COB s confederaes, s vsperas dos Jogos do Rio.

A manobra datada de 31 de dezembro passado foi usada pelo Comit Rio-2016, como revelou a Folha, para evitar que terminasse o ano de 2015 com perda de R$ 129 milhes. Com o ajuste contbil, o registro no balano foi um supervit de R$ 17 milhes.

A jogada, que no tem ilegalidade por se tratar de duas entidades privadas, foi computar como receita um repasse previsto para o ano no valor de R$ 146,3 milhes, reconhecido como direitos de marketing no pagos.

Aps a renegociao, ficou acordado que a remessa devida ao COB, agora, de R$ 56 milhes –que pode ser paga at 31 de dezembro de 2016; se houver saldo, ento, a quitao pode ser feita em at sete parcelas a partir de janeiro de 2017. O novo combinado foi assinado por Carlos Arthur Nuzman, que acumula tanto a presidncia do COB quanto do comit Rio-2016.

A aprovao das contas foi unnime, e somente a CBTM (Confederao Brasileira de Tnis de Mesa) fez ressalvas. A Folha enviou e-mails para as confederaes perguntando sobre o tema. Aquelas que responderam disseram no ter tido acesso a este novo acordo.

O presidente da CBPM (Confederao Brasileira de Pentatlo Moderno), Helio Meirelles, disse que questionou a renegociao.

“(…) em nenhum momento, nas reunies anteriores do COB, foi apresentado um quadro financeiro preocupante do Comit Rio 2016, a ponto de sensibilizar o COB a abrir mo de uma receita expressiva que, no entanto, corresponde a somente 2% do oramento total do Rio 2016. A CBPM, aps a sua manifestao e considerando as demais intervenes na AGO [assembleia geral], decidiu apoiar a proposta de aprovao das contas de 2015.”

O dirigente disse que “no conhece a verso final do contrato, nem os documentos internos que devem ter sido elaborados para dar apoio tcnico e legal deciso que alterou o contrato”.

“Pode-se afirmar que tais recursos so muito importantes, principalmente no caso das confederaes de menor porte e que no contam com patrocnio em valores expressivos”, concluiu Meirelles.

A Confederao Brasileira de Vela, cuja presidncia tambm afirmou no ter visto o documento, disse que “neste momento, a realizao dos Jogos Olmpicos no Brasil vai ser uma maneira de desenvolver diretamente o esporte brasileiro, trazendo mais benefcios para o esporte no pas”.

Paulo Wanderley Teixeira, presidente da confederao do jud e candidato vice-presidncia do COB, afirmou em nota que sua entidade “considerou os motivos apresentados justificveis face s circunstncias do momento, que so a realizao do maior evento esportivo do mundo no Rio de Janeiro”.

Para a confederao de basquete, “se essa medida foi tomada [renegociao que diminuiu o repasse], atendeu a um planejamento meticulosamente elaborado para o evento olmpico”. J a confederao de vlei ressaltou que “confia na conduo da poltica de gesto do esporte desenvolvida pelo COB”.

Segundo Sami Arap, chefe da confederao de rgbi, a deciso do adiamento do repasse do Rio-2016 ao COB cabe exclusivamente aos administradores das duas entidades.

OUTRO LADO

Folha, o Comit Olmpico do Brasil disse que “no houve nenhum aditivo ao contrato original”. “As contas do COB em 2015 foram submetidas anlise prvia das confederaes, que aprovaram por unanimidade o balano da entidade” e que as informaes esto no balano.

A entidade afirmou que “os pagamentos fazem jus ao valor histrico de R$ 120 milhes, corrigido a cada perodo de 12 meses pela variao do IPCA, at a data do efetivo recebimento”.

Porm, de acordo com o prprio balano de 2015 do comit olmpico, houve alterao no formato de pagamento. Inicialmente, os organizadores da Rio-2016 deveriam repassar 12% do total arrecadado com patrocnios at que se chegasse a US$ 60 milhes; depois disso, o percentual de repasse cairia para 8%.

“O valor de R$ 120 milhes sofreu correo monetria de R$ 38 milhes, entre 2009 e 2015. E os repasses de patrocnio do Rio 2016 para o COB somaram o total de R$ 102 milhes, no perodo de 2011 a 2015, tendo sido pagos em dinheiro ou (produtos e servios). Logo, chegou-se ao saldo atual de R$ 56 milhes. Este saldo ser pago inteiramente at junho de 2017”, explica o comit em nota.

O COB ainda diz que “a preparao dos atletas brasileiros para os Jogos Olmpicos foi integralmente cumprida, de acordo com o planejamento estratgico”.

Procurado pela reportagem, o comit Rio-2016 no respondeu s perguntas at a concluso desta reportagem.


Fonte: Folha.com.br

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook