Últimas

Congresso Estadual dos Jornalistas em Penedo debate temas importantes para a categoria

O 22º Congresso Estadual dos Jornalistas realizado em Penedo no último final de semema, 10, 11 e 12 no histórico prédio da Casa de Aposentadoria, trouxe para o público presente ao evento, temas importantes para a categoria e palestrantes renomados com o objetivo de debater o jornalismo na atualidade e questões referentes a ética e os rumos da profissão nos diversos meios de comunicação: Impresso, rádio, web, tv e assessoria de imprensa. O evento foi realizado pelo Sindicato dos Jornalistas de Alagoas com o apoio da Prefeitura de Penedo.

Na abertura do evento que contou com a presença do Prefeito de Penedo, Marcius Beltão, do Presidente do Sindicato Flávio Peixoto, vereadores, entre outras autoridade contou, com a participação de diversos jornalistas e estudantes do estado de alagoas e, também de parte da imprensa local.

O presidente do Sindicato dos jornalistas do estado de Alagoas, Flávio Peixoto, agradeceu ao apoio do prefeito Marcius Beltrão, que apoiou a realização do evento em Penedo, desde o início e deu suporte na parte logística. “Precisou de 30 anos, para que outro encontre de jornalistas fosse realizado em Penedo, estamos recebendo diversos profissionais do setor e muitos debates, reflexões e apresentação de teses importantes”, enfatizou.

O Prefeito Marcius Beltrão deu boas vindas a todos os jornalistas e falou um pouco sobre a longa história do município que em Abril completou 380 anos de elevação à categoria de vila, suas igrejas, praças e prédios históricos. Palestras A abertura do evento teve como palestrante o jornalista Luís Nassif, que abordou o tema central do congresso: “Jornalismo Ético, a Sociedade Quer e Precisa”, onde retratou a crise de credibilidade da imprensa, principalmente nos aspectos referentes à politica nacional.

Entre os fatores que contribuem para essa queda de confiança, está a desinformação e manipulação das notícias, protagonizadas pelos meios de comunicação de massa, que pautados por interesses privados, promovem o enquadramento dos diversos fatos de acordo com as conveniências do capital, criando o chamado “factoide”, ou notícia falsa.

O jornalista citou como exemplo de manipulação da informação, veículos tradicionais da imprensa brasileira como a Folha de São Paulo, Veja e principalmente a Rede Globo de Televisão, sendo emblemático nesse sentido a divulgação em massa do caso dos pedalinhos do sítio frequentado pelo ex-presidente Lula. Também citou exemplos de bom jornalismo, como a BBC Brasil, El País, entre outros veículos da mídia internacional que passaram a se dedicar a realidade brasileira.

 “Estamos vivendo um dos piores momentos para a categoria, no que se refere à credibilidade, não sendo comparados a nenhum outro, pior do que casos como a ‘Escola Base’ e o Impeachment de Collor. Isso se deve a interferência direta dos proprietários das empresas jornalísticas no conteúdo produzido”, afirmou Nassif.

De acordo com Nassif, o jornalismo viveu um período, no final da década de 1980 e durante a década de 1990, onde as empresas pouco censuravam o conteúdo produzido pelos profissionais do setor, principalmente devido ao processo de redemocratização do País. Porém, na atualidade, após a ascensão do PT a realidade começou a mudar, sendo o caso do “mensalão”, emblemático para essa mudança de atitude por parte do patronato. Painel jornalismo em tempo de crise

No sábado (11), dia seguinte a abertura do evento, ocorreu o painel: “Jornalismo em Tempos de Crise e Perspectiva de Mercado”, com os jornalistas Marcos Rodrigues – Rádio Jornalismo, Roberto Miranda – Assessoria de Imprensa, Fatima Almeida- Jornal Impresso, Arnaldo Ferreira- Televisão e Carlos Madeiro – Web. Durante toda manhã, esses profissionais, mostraram como ocorre o trabalho atualmente em suas áreas de atuação, problemas enfrentados pelos profissionais e as previsões para o futuro do jornalismo, em uma época, onde ocorrem diversas perseguições a jornalistas e infiltração de outras pessoas, nas áreas tradicionais da imprensa.

O jornalista Marcos Rodrigues da Rádio Jovem Pan falou de como é trabalhar com rádio jornalismo na atualidade e disse da importância de uma maior participação dos jornalistas profissionais nesse meio de comunicação, onde antigamente apenas a voz bastava e hoje, além da voz é preciso conteúdo informativo preciso e especializado.

 Já Carlos Madeiro, profissional que atua na web e trabalha no Portal de Noticias Uol fez uma explanação sobre o jornalismo e a importância da credibilidade da informação na rede. De acordo o jornalista, com a proliferação dos sites de noticias, redes sociais e conteúdos das mais diversas origens, cresceu a quantidade de noticias falsas disseminadas na web. “Nem todo mundo é jornalista”. Afirmou Carlos Madeiro, que também ressaltou a importância do papel do jornalista para contrapor a desinformação provocada pela divulgação de informações falsas por pessoas despreparadas.

Outro ponto importante de sua explanação foi com relação ao financiamento do jornalismo na web, pois afinal “quem pagará a conta do pão?”, referindo-se a sobrevivência desses profissionais no atual quadro, onde todo mundo pode escrever, mais faltam modelos de negócios viáveis economicamente para atender ao grande número de profissionais da área, pois as empresas deixaram de anunciar nos sites de notícias para fazê-lo por meio do Google e Facebok, que faturam cada vez mais com publicidade.

Roberto Miranda secretário de Comunicação de Penedo falou em sua palestra sobre o trabalho realizado pela Secom Penedo, na divulgação das ações do município nos diversos meios rádios, sites, faixas e carros de som. Além da importância do relacionamento com a imprensa e produção de material de qualidade, na qual a profissionalização das assessorias de imprensa tem um papel fundamental.

A jornalista Fátima Almeida do Jornal Gazeta de Alagoas, um dos mais antigos do estado, abordou a questão do jornalismo impresso e como ocorrerá à sobrevivência da mídia impressa, frente o advento da internet e queda da receita publicitária, diminuição da tiragem e demissão de muitos jornalistas. Porém, apesar disso, os jornais impressos ainda possuem sua importância para a categoria e também economicamente.

“O que sustenta o jornal impresso além da credibilidade é a publicidade, mas é preciso se reinventar, não repetir notícia que já foi publicada na web”, ressaltou. Arnaldo Ferreira, Jornalista da TV gazeta de Alagoas falou em sua explanação sobre a importância do pensamento crítico e citou diversos jornalistas que fizeram historia em Alagoas. Após explanações, ocorreram os debates referentes ao estatuto da categoria e os encaminhamentos referentes à profissão.

Também ocorrerão durante o congresso diversos momentos festivos, como apresentações culturais do município, Dança da Peneira da Terceira Idade e capoeira do Grupo Mandingueiro, além do forró dos jornalistas com o grupo Ases do forró e a apresentação do cantor penedense Thiago Pinheiro.

No domingo (12), um animado passeio pelas águas do Rio são Francisco encerrou o 22º Congresso Estadual dos Jornalistas e encantou a todos os participantes pela beleza das paisagens, apesar do constante assoreamento sofrido pelo rio. A excursão também serviu para alertar aos 100 profissionais que estiveram durante três dias em Penedo, sobre o momento crítico que enfrenta o Rio da Unidade Nacional, em especial o Baixo São Francisco.




— Thiago Sobral 

Assessor de imprensa da Prefeitura de Penedo

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook