Dirigente diz que vai à Justiça por acesso a contrato da Rio-16

Alaor Azevedo, presidente da CBTM (Confederao Brasileira de Tnis de Mesa), afirmou que ir Justia para pedir acesso ao contrato de marketing firmado em 2009 sobre repasses do Comit Organizador da Rio-2016 ao COB (Comit Olmpico do Brasil).

Na sexta (3), a Folha revelou que os organizadores computaram como receita R$ 146 milhes que deveriam ser destinados ao COB, graas a mudana na forma de pagamento do repasse, que no teve ilegalidade. A alterao impediu que o balano olmpico fechasse 2015 com perda de R$ 129 milhes.

A renegociao incidiu sobre o que era devido: se deviam repassar R$ 146,3 milhes, os organizadores agora devem R$ 56 milhes, a serem pagos at o fim do ano (se houver saldo restante, ele pode ser parcelado em 2017).

Azevedo o principal opositor de Carlos Arthur Nuzman, que preside o COB e a Rio-2016. Ele avalizou a mudana, com ressalvas.

A CBTM encomendou parecer contbil que ser apresentado junto com o processo. ” um dinheiro que de direito do esporte brasileiro. Como ele [Nuzman] assina com ele mesmo?”, afirmou Azevedo, que pr-candidato presidncia do COB.

Azevedo disse ter pedido ao Rio-2016 e ao COB cpia dos documentos do programa conjunto de marketing para verificar os termos originais e tambm os que foram alterados em dezembro.

Segundo ele, em uma das vezes foi permitido a ele ver por algumas horas os papis, na sede do comit. No satisfeito, fez outra solicitao em ofcio, que acabou negada em resposta dada pelo vice-diretor geral Leonardo Gryner.

O mesmo pedido foi feito ao COB, que tambm no quis ceder a documentao.

Tanto o comit organizador quanto o COB argumentam, nas respostas, que “os instrumentos contratuais (…) esto protegidos por clusula de confidencialidade”.

“Eu sou associado s entidades, tenho direito de receb-los”, ponderou Azevedo.

A base da ao ser a Lei Pel, que determina que entidades esportivas cumpram princpios de transparncia.

Procurados pela Folha, o COB e o comit Rio-2016 no quiseram comentar as declaraes de Azevedo.

ACORDO SECRETO

Em assembleias realizadas neste ano, as confederaes esportivas brasileiras aprovaram as contas do comit organizador e do COB.

Porm, entidades consultadas pela reportagem disseram que, de fato, no tiveram acesso aos documentos.

Nenhuma das 23 indagadas disse ter visto o contedo do acordo. A do pentatlo moderno afirmou ter questionado a reduo do repasse, mas as confederaes de vela, jud, rgbi, vlei e basquete defendem o reajuste.

Folha, o COB disse que “as contas de 2015 foram submetidas anlise prvia das confederaes, que aprovaram por unanimidade o balano da entidade”.

O acordo feito, porm, um documento parte, no detalhado no balano.

A entidade afirmou tambm que “a preparao dos atletas brasileiros para os Jogos foi integralmente cumprida, de acordo com o planejamento estratgico”.

Procurado pela reportagem, o comit Rio-2016 no respondeu s perguntas sobre o acesso ao acordo at o fechamento desta edio.


Fonte: Folha.com.br

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook